Rei Charles vai ceder lucros obtidos com parques eólicos da Coroa Britânica

.

LONDRES (Reuters) - O rei Charles gostaria que um aumento esperado nos lucros de parques eólicos da Coroa Britânica fosse direcionado para o "bem público" e não para os fundos da família real, disse ele ao governo.

Sob acordos anunciados nesta quinta-feira, a Coroa Britânica alugará locais para seis novos projetos eólicos offshore capazes de gerar eletricidade verde suficiente para abastecer mais de sete milhões de residências até 2030.

Um porta-voz do Palácio de Buckingham disse que o tesoureiro do rei Charles, conhecido como Guardião da Bolsa Privada, escreveu ao primeiro-ministro e ao ministro das Finanças "para compartilhar o desejo do rei de que esse lucro inesperado seja direcionado para um bem público mais amplo, e não para o subsídio soberano".

Sob um acordo com o governo, a família real recebe um "subsídio soberano" que cobre os custos de funcionamento das famílias reais e despesas de viagem. O valor baseia-se em 15% da receita excedente do patrimônio da Coroa Britânica - uma carteira de propriedades pertencente à monarquia.

O portfólio inclui, por exemplo, alguns dos terrenos mais caros de Londres e centros comerciais urbanos, além de propriedades offshore.

O compartilhamento do lucro do parque eólico aconteceria por meio de "uma redução apropriada" na proporção do excedente do patrimônio da Coroa Britânica que financia o subsídio soberano.

O subsídio soberano valia no ano passado em 86,3 milhões de libras (107 milhões de dólares) e a previsão é de que o portfólio de propriedades se valorize à medida que a energia eólica offshore se torne um fator-chave na produção de energia renovável do Reino Unido.

Charles, que se tornou rei em setembro após a morte de sua mãe, a rainha Elizabeth, mencionou a crise do custo de vida enfrentada por muitos britânicos quando fez seu primeiro discurso de Natal à nação.

(Por Kate Holton)