Rei emérito Juan Carlos é alvo de nova investigação judicial na Espanha

·2 minuto de leitura
O rei emérito Juan Carlos I em 24 de setembro de 2009
O rei emérito Juan Carlos I em 24 de setembro de 2009

O rei emérito da Espanha, Juan Carlos I, é alvo de uma nova investigação judicial para saber se usou cartões de crédito vinculados a contas bancárias em nome de supostos laranjas para lavar dinheiro - informaram fontes judiciais nesta quarta-feira (4).

A causa se soma a outras investigações judiciais em torno do ex-monarca, que se exilou nos Emirados Árabes Unidos em agosto, enquanto a Justiça espanhola e a suíça analisavam suas contas bancárias.

A Promotoria anticorrupção abriu discretamente esta investigação no final de 2019, mas sua existência não era conhecida até agora. Segundo fontes jurídicas, está centrada em contas bancárias no nome de um empresário mexicano e de um oficial do Exército da Força Aérea espanhola.

O objetivo é conhecer a origem desse dinheiro e saber se o ex-monarca fez uso dele, confirmaram essas fontes após a publicação de um artigo no jornal digital Eldiario.es.

A Promotoria solicitou comissões rogatórias ao exterior para determinar se as quantidades depositadas nessas contas sediadas na Espanha foram ocultadas da agência tributária espanhola, explicaram essas fontes, sem especificar os países para onde mandaram essas solicitações.

Caso sejam comprovados, esses eventos podem constituir um crime de lavagem de dinheiro, pelo qual o rei emérito poderá ser responsabilizado, já que ocorreram após sua abdicação em junho de 2014, quando perdeu a imunidade como chefe de Estado.

O Tribunal Supremo confirmou que a Promotoria anticorrupção já havia transmitido uma investigação preliminar sobre Juan Carlos I, sem dar mais detalhes.

A Promotoria do Supremo já investiga o rei emérito por possível corrupção na suposta cobrança de comissões vinculadas à atribuição a empresas espanholas de um contrato para construir uma linha ferroviária de alta velocidade na Arábia Saudita em 2011.

Segundo o jornal suíço "La Tribune de Genève", o monarca recebeu, em uma conta suíça em 2008, uma transferência de US$ 100 milhões, procedente da monarquia saudita.

A Casa Real anunciou em 3 de agosto que o ex-chefe de Estado abandonou o país para "facilitar o exercício" das funções para seu filho e atual rei, Felipe VI.

Juan Carlos, cuja imagem pública foi manchada por vários escândalos nos últimos anos, anunciou por intermédio de seu advogado que continua à disposição da Justiça.

tpe/dbh/avl/bl/aa/tt