Reino Unido é primeiro país a aplicar vacina da AstraZeneca em corrida para conter Covid

Alistair Smout e Guy Faulconbridge
·2 minuto de leitura
Brian Pinker, 82, recebe vacina Oxford/AstraZeneca contra Covid-19 em Oxford

Por Alistair Smout e Guy Faulconbridge

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido começou a vacinar sua população com a vacina da Universidade de Oxford e da AstraZeneca contra Covid-19, nesta segunda-feira, o primeiro país do mundo a usar esse imunizante, em corrida para dar proteção aos idosos e vulneráveis à medida que um novo aumento de casos ameaça pressionar hospitais.

O Reino Unido saudou um "triunfo" científico que o coloca na vanguarda do Ocidente, com o paciente de diálise Brian Pinker, de 82 anos, tornando-se a primeira pessoa a tomar a vacina Oxford/AstraZeneca fora de um estudo clínico.

Enquanto as grandes potências vislumbram os benefícios de ser o primeiro a sair da pandemia, o Reino Unido se apressa para vacinar sua população mais rápido do que os Estados Unidos e o restante da Europa, embora a Rússia e a China estejam vacinando seus cidadãos há meses. Pouco menos de um mês desde que o Reino Unido se tornou o primeiro país do mundo a administrar a vacina desenvolvida pela Pfizer e BioNTech, Pinker, que tem doença renal, recebeu a injeção de Oxford/AstraZeneca.

"Estou muito satisfeito por tomar a vacina contra Covid hoje e muito orgulhoso por ter sido inventada em Oxford", disse Pinker, um gerente de manutenção aposentado, a apenas algumas centenas de metros de onde a vacina foi desenvolvida.

Pinker afirmou que estava ansioso para comemorar seu 48º aniversário de casamento com a esposa Shirley em fevereiro.

O Reino Unido, com o sexto pior número de mortes do mundo e um dos mais afetados economicamente pela crise da Covid, tem registrado recordes de novos casos diários da doença. Isso deixou o plano de vacinação ainda mais urgente. O Reino Unido está priorizando dar a primeira dose de uma vacina para o maior número possível de pessoas em vez de dar uma segunda dose, apesar de alguns médicos e cientistas expressarem preocupação.

Desde o início da campanha com a vacina da Pfizer em 8 de dezembro, o Reino Unido vacinou mais de 1 milhão contra Covid-19 - mais do que o restante da Europa junta, disse o secretário de Saúde Matt Hancock.

"É um triunfo da ciência britânica chegar onde estamos", afirmou Hancock à Sky. "Logo no início, vimos que a vacina era a única saída a longo prazo."

O governo do primeiro-ministro Boris Johnson garantiu 100 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca, que pode ser armazenada em temperaturas de geladeira entre 2 e 8 graus Celsius, tornando mais fácil de distribuir do que a vacina da Pfizer.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA disse que administrou 4,2 milhões de primeiras doses de vacinas contra Covid-19 até a manhã de sábado e distribuiu 13,07 milhões de doses.

Mas Israel é o líder mundial: mais de um décimo de sua população recebeu uma vacina e agora Israel está administrando mais de 150.000 doses por dia.