Reino Unido cogita maior rigidez com viajantes por temor de variantes do vírus

·1 minuto de leitura
Avião decola do aeroporto de Heathrow em Londres

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido está cogitando fazer mais testes em todas as pessoas que chegarem do exterior enquanto estas se isolam para se defender de novas variantes do vírus que causa a Covid-19, disse um ministro nesta terça-feira.

As companhias aéreas estão sendo nocauteadas pela pandemia. As restrições de viagem obrigam empresas que antes cresciam rapidamente, como a Norwegian, a lutar pela sobrevivência, e nomes estabelecidos, como a British Airways, a levantar recursos e demitir milhares de funcionários.

A ITV noticiou que todos os recém-chegados do exterior terão que fazer exame de Covid-19 no segundo e oitavo dias de seu isolamento.

"Estamos sempre procurando refinar nossa abordagem para a fronteira simplesmente porque existe o risco de novas variantes virem de outros países de todo o mundo", disse o ministro do Meio Ambiente, George Eustice, à Rádio Times.

"Até termos distribuído totalmente a vacina e identificado uma maneira de sermos capazes de atualizar a vacina para confrontar novos desafios, temos que demonstrar alguma cautela com as viagens internacionais."

Atualmente, os recém-chegados à Inglaterra precisam ter prova de um exame de Covid-19 negativo nos três dias anteriores e se isolar durante 10 dias a contar da data de partida.

O governo britânico deve exigir que os viajantes chegando de locais com alta incidência de Covid-19 fiquem em quarentena em hotéis a partir de 15 de fevereiro. Viajantes de países considerados de alto risco, como a África do Sul, teriam que ficar 10 dias nestes hotéis.

(Por Guy Faulconbridge e Kate Holton)