Reino Unido diz que crise está controlada, mas ainda há postos sem combustível

·2 min de leitura
Pessoas empurram carro em fila de veículos diante de posto de combustível no sul de Londres

Por Sarah Young e Kylie MacLellan e Will Russell

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido disse nesta quinta-feira que uma crise nos postos de combustível causada por uma falta acentuada de caminhoneiros está controlada, mas muitas bombas continuavam fechadas em Londres, obrigando motoristas a passar horas circulando ou parados em filas para abastecer.

Em uma semana caótica que testemunhou pessoas brigando em postos e outras enchendo garrafas de água com gasolina, ministros britânicos dizem repetidamente que a crise está se amenizando, mas na quarta-feira ordenaram que soldados começassem a conduzir caminhões-tanque.

"Essa crise agora é algo que absolutamente voltou ao controle", disse o secretário-chefe do Tesouro, Simon Clarke.

Repórteres da Reuters visitaram sete postos de combustível de Londres e áreas adjacentes nesta quinta-feira. Dois estavam abertos. Uma fila de dezenas de motoristas se estendia de um dos postos em funcionamento, no qual empregados tentavam organizar a fila.

A Associação de Varejistas de Petróleo (PRA), que representa varejistas de combustível independentes que respondem por 65% dos 8.380 postos britânicos, disse na quarta-feira que 27% de seus membros relataram ter ficado sem combustível e que acredita que a situação melhorará mais nas próximas 24 horas.

A crise dos postos provoca desprezo em algumas capitais europeias, e políticos de alto escalão insinuam que a falta de caminhoneiros é uma consequência clara da decisão do referendo de 2016 para o Reino Unido deixar a União Europeia.

Ministros britânicos insistem em negar que o Brexit tenha relação com a crise, mas dezenas de milhares de caminhoneiros da UE partiram durante o caos da desfiliação e também citam os lockdowns da Covid, que impediram dezenas de milhares de exames de habilitação.

Indagado se o Reino Unido estaria em uma posição melhor se não tivesse saído do mercado comum, Clarke respondeu: "Eu realmente não aceito isso".

"A ideia de que isto diz respeito ao Brexit é tentar nos levar de volta ao que na verdade temo ser uma conversa bastante negativa a respeito de oportunidades passadas", disse.

"Se você olhar a situação na Alemanha, se olhar a situação na Polônia, se olhar a situação na França, eles também têm estes problemas", disse.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos