Reino Unido endurecerá penas contra migrantes ilegais

·1 minuto de leitura
La ministra británica de Interior, Priti Patel, abandona la casa del primer ministro en Downing Street, en Londres el 24 de junio de 2021

O Reino Unido está se preparando para aumentar a pena de prisão de seis meses para quatro anos para os migrantes que tentam entrar ilegalmente no país, que vivencia um recorde de chegadas pelo Canal da Mancha.

O país também quer aumentar para prisão perpétua a pena máxima aplicável a quem contrabandeia esses migrantes, que atualmente é de 14 anos de prisão.

Essas modificações anunciadas pelo Ministério do Interior serão incluídas em um projeto de reforma do sistema de asilo que será discutido no Parlamento britânico na terça-feira em meio a uma retomada na chegada de migrantes clandestinos.

No primeiro semestre de 2021, o Reino Unido bateu o recorde de migrantes chegando em pequenas embarcações pelo Canal da Mancha, que separa a ilha do Reino Unido do continente europeu.

Quase 6.000 migrantes cruzaram ilegalmente o canal entre janeiro e junho e, em breve, o total de 8.417 registrados durante o ano de 2020 pode ser ultrapassado em breve.

O governo conservador propôs em março a reforma do sistema de asilo para priorizar aqueles que vêm ao país legalmente.

De acordo com o Ministério do Interior, os migrantes que atravessam o Canal da Mancha devem previamente solicitar asilo nos países da União Europeia por onde transitam, mas escolhem "o Reino Unido como destino preferencial em relação a outros, utilizando rotas ilegais para para chegar".

É uma lei "justa, mas firme", informou a ministra Priti Patel.

Steve Valdez-Symonds, chefe da Anistia Internacional no Reino Unido, acusou o governo de "espalhar deliberadamente mitos e mentiras sobre asilo e imigração" e pediu que estabelecesse "rotas seguras" para essas pessoas.

spe/ia/dbh/pc/bn

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos