Reino Unido proíbe câmeras da China em prédios do governo

LONDRES (Reuters) - O governo britânico determinou a seus departamentos para interromperem a instalação de câmeras de vigilância que sejam vinculadas à China em edifícios com atividades sensíveis por risco à segurança.

A decisão, divulgada na quarta-feira, veio depois de uma análise sobre os "riscos atuais e futuros associados à instalação de sistemas de vigilância visual no Estado", afirmou o ministro Oliver Dowden em comunicado ao Parlamento do país.

"A avaliação concluiu que, à luz da ameaça ao Reino Unido e das crescentes capacidades e conectividade desses sistemas, controles adicionais precisam ser exigidos", disse Dowden.

A nova norma se aplica a câmeras produzidas por companhias que são sujeitas às leis de segurança da China e inclui orientações para os departamentos desconectarem tais dispositivos de importantes redes de computadores e considerarem a remoção completa de todas elas.

Meses atrás, dezenas de parlamentares pediram bloqueio sobre a venda e uso de câmeras de segurança produzidas por Hikvision e Dahua, duas companhias parcialmente estatais da China, por conta de preocupações sobre a segurança.

A Hikvision negou as acusações em comunicado à Reuters e afirmou que a empresa vai buscar um diálogo mais próximo com as autoridades britânicas para entender a decisão.

"A Hikvision não pode transmitir dados dos usuários para terceiros, não administramos bancos de dados de usuários finais ou vendemos serviços de armazenagem em nuvem para o Reino Unido", afirmou um porta-voz da empresa.

(Reportagem de Sachin Ravikumar e Lavanya Ahire)