Reino Unido sanciona líder da Igreja Ortodoxa russa, aliado de Putin

O governo do Reino Unido anunciou nesta quinta-feira sanções contra o primaz da Igreja Ortodoxa Russa, Cirillo, por conta de seu apoio à invasão à Ucrânia pelo regime de Vladimir Putin. Com isso, Cirilo fica proibido de entrar no Reino Unido e terá eventuais ativos sob jurisdição britânica congelados.

Contexto: Invasão da Ucrânia divide a Igreja Ortodoxa e isola o patriarca russo, Cirilo I

Divergências: Igreja Ortodoxa russa repreende Papa Francisco após comentário sobre Cirilo ser 'coroinha de Putin'

Início da guerra: Papa conversa com patriarca da Igreja Ortodoxa Russa sobre a guerra na Ucrânia

Por meio de comunicado, a secretária britânica de Relações Exteriores, Liz Truss, disse que o principal líder religioso da Rússia "abusou repetidamente de sua posição para justificar a guerra. Cirilo, de 75 anos, é um aliado do presidente Vladimir Putin, e vê a guerra como uma ofensiva contra o Ocidente, considerado por ele “decadente”, em especial sobre a aceitação de relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo.

Patriarca de Moscou desde 2009, Cirilo é o principal líder religioso do país com a maior população ortodoxa no mundo em termos absolutos.

Visita: Líderes da França, Alemanha e Itália visitam a Ucrânia para mostrar 'unidade' e apoio conjunto

Mais dinheiro: EUA anunciam ajuda de US$ 1 bi para Ucrânia, mas chefe da Otan alerta sobre tempo para treinar forças

Impacto humano: Milhares de civis presos na cidade ucraniana de Severodonetsk estão ficando sem água, alerta ONU

O porta-voz da Igreja Ortodoxa Russa, Vladimir Legoyda, disse no Telegram que as sanções contra Cirilo são uma "tentativa de intimidação absurda e insensata". "Isso pode ser necessário apenas para forças políticas que têm a escalada do conflito como sua meta", salientou.

A nova lista de sancionados por Londres também inclui a comissária russa para os direitos da infância, Maria Lvova-Belova, tida como artífice da transferência forçada de crianças ucranianas de áreas ocupadas, coronéis do Exército de Moscou, ucranianos "colaboracionistas" e uma empresa bélica russa.

— As pessoas atingidas hoje são cúmplices ou executoras da guerra de Putin, que está levando sofrimentos indizíveis ao povo ucraniano — acrescentou Truss.

A União Europeia também chegou a discutir possíveis sanções contra Cirilo, mas recuou após pressões da Hungria, cujo premier, o ultranacionalista Viktor Orbán, é próximo a Putin. A postura de Cirilo o afastou do Papa Francisco, com quem se encontraria neste mês em Jerusalém, e provocou críticas do líder católico.

— Não somos clérigos de Estado, não podemos utilizar a linguagem da política, mas sim a de Jesus. O patriarca não pode se transformar no coroinha de Putin — disse o Pontífice em entrevista recente ao jornal italiano Corriere della Sera.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos