Reino Unido sanciona russos ligados a referendos "falsos" na Ucrânia

Um trabalhador vota em um referendo na região ucraniana de Zaporizhzhia sobre a anexação à Rússia.REUTERS/Alexander Ermochenko

LONDRES (Reuters) - O Reino Unido anunciou nesta segunda-feira um novo pacote de sanções relacionado ao que descreveu como referendos "falsos" de Moscou em quatro regiões do leste da Ucrânia que estão se juntando à Rússia.

Cidadãos de quatro regiões da Ucrânia votaram pelo quarto dia nesta segunda-feira em referendos organizados por Moscou, um plano que Kiev e o Ocidente classificaram como uma farsa. Eles dizem que os resultados são pré-determinados e não reconhecerão os resultados.

O Reino Unido disse que entre os sancionados estão altos funcionários russos envolvidos na aplicação das votações.

"Referendos falsos realizados diante do cano de uma arma não podem ser livres ou justos e nunca reconheceremos seus resultados", disse o ministro das Relações Exteriores britânico, James Cleverly, em comunicado.

"As sanções de hoje terão como alvo aqueles por trás dessas votações falsas, bem como os indivíduos que continuam a sustentar a guerra de agressão do regime russo".

O Reino Unido disse que os sancionados incluem 55 membros do conselho e diretores de organizações que o governo disse que "continuam a financiar a máquina de guerra russa". Estes incluem o Gazprombank, Sberbank e Sovcombank.

O Reino Unido, juntamente com aliados ocidentais, impôs proibições de viagem, congelamento de bens e outras sanções a centenas de indivíduos e entidades russas desde 24 de fevereiro, dia em que Moscou enviou tropas para a Ucrânia.

(Reportagem de Kylie MacLellan e William James)