Reis da interatividade, museus de ciência se reinventam e levam experimentos para o mundo digital

·8 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOFLHAPRESS) - Museus de ciência têm como uma de suas principais marcas a interatividade -tocar, ouvir e sentir despertam a curiosidade do visitante e estimulam o aprendizado como se fosse uma brincadeira. Tudo isso, porém, está fora do alcance neste momento devido à pandemia de Covid-19.

Essas instituições estão entre os pontos mais marcantes de difusão da ciência -que é celebrada no Brasil nesta quinta-feira (8) com o Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador Científico.

"Os museus e centros de divulgação de ciência tiveram um impacto muito grande durante a pandemia. A presença das pessoas e a possibilidade de tocar as coisas está na essência desses espaços, e isso está inviável agora", diz Fatima Brito, diretora da Divisão de Programas da Casa da Ciência da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

O jeito foi levar esses museus para o mundo digital, com visitas virtuais por videoconferência que mostram o acervo e os experimentos ou transmissões ao vivo (lives) sobre temas que vão desde a doença de Alzheimer até a astronomia indígena.

O material produzido no período fica disponível na internet e já é consultado por professores, estudantes e pessoas que buscam mais conhecimento sobre os assuntos.

"Foi um desafio, mas a ampliação da presença na internet trouxe muitas vantagens. Agora temos uma equipe treinada para fazer o trabalho e ampliamos nosso alcance para o público de outras cidades, que depois pode vir nos visitar", diz Carlos Lucena, diretor do Museu de Ciências e Tecnologia da PUCRS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), em Porto Alegre.

O espaço reabriu em 26 de maio, mas com capacidade reduzida e adaptações. O museu, que recebia cerca de 100 mil pessoas por ano, agora pode ter no máximo 150 visitantes por dia --público inferior à metade do que era o habitual. E nem todos os experimentos podem ser acessados na visita.

Nas redes sociais do museu da PUCRS, os educadores do espaço demonstram os experimentos do local e explicam os princípios científicos por trás deles. O pêndulo de Foucault que o espaço abriga, por exemplo, é uma maneira simples de mostrar que a Terra (que é redonda, vale lembrar) roda em torno de seu próprio eixo.

O MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal, em Belo Horizonte, aposta nas visitas mediadas virtuais, feitas por videoconferência. O local, fechado desde março de 2020, conta com o financiamento da empresa que é a maior produtora de aço no país.

Ali, o visitante pode mergulhar no mundo da geologia e da mineração, o que inclui contato (a distância, neste momento) com exemplares de pedras raramente vistas pelo público.

Segundo Márcia Guimarães, diretora do MM Gerdau, a maior presença nas redes sociais fez o público virtual do local mais do que dobrar -

-foi de cerca de 2 milhões em 2019 para mais de 4 milhões em 2020. Até pessoas de fora do país passaram a ter contato com a instituição, diz Guimarães.

As visitas virtuais no MM Gerdau oferecem três opções de roteiro e acontecem em horários específicos. A participação deve ser agendada por meio de um link disponível no Instagram da instituição ou pelo site mmgerdau.org.br. Professores que estejam trabalhando algum tema relacionado ao museu com seus alunos também podem entrar em contato e pedir um enfoque maior no assunto. A instituição tem ainda exposições online na plataforma Google Arts & Culture.

"É muito importante que as ações digitais não se percam depois da pandemia. Muitas pessoas sem dinheiro e com um celular, que não poderiam vir até aqui, conseguem acessar o museu desta forma", afirma Guimarães.

Ao lado do MM Gerdau, na praça da Liberdade, fica o Espaço do Conhecimento UFMG. O centro de divulgação científica bastante moderno também está fechado desde março de 2020.

A exposição Mundos Indígenas, em cartaz na época do fechamento do espaço, foi transformada em uma série de vídeos para o YouTube, e as sessões de astronomia do planetário, o único da cidade, tornaram-se uma série de transmissões ao vivo no canal de vídeos chamada Descobrindo o Céu.

"Foi uma mudança radical, mas frutífera, resultado da integração e motivação de toda a equipe. Temos um acompanhamento mensal dos acessos ao nosso site e às mídias e o crescimento é surpreendente", diz Diomira Faria, diretora científico-cultural do Espaço do Conhecimento.

"O virtual não substitui o presencial. Como ocorreu com outras modalidades de consumo cultural, o virtual é complementar. Para o pós-pandemia, apostamos em modelos híbridos, atividades presenciais concomitantes com virtuais", completa Faria.

Na Casa da Ciência da UFRJ, um blog agrega todo o conteúdo, que vai para as redes sociais também. Em uma das séries mais recentes de publicações, a Bastidores da Ciência, os laboratórios da UFRJ são a principal estrela.

"Neste momento em que vemos negacionismo da ciência na sociedade, precisamos de mais canais para divulgar o que os institutos de pesquisa desenvolvem. É um estímulo para que mais laboratórios apresentem sua produção. Quem sabe com isso não possamos ter mais cientistas no futuro?", diz Fatima Brito, diretora da Divisão de Programas.

Luciane Correia Simões, produtora cultural na Casa da Ciência, diz que a equipe precisou passar por um treinamento para poder produzir o conteúdo de divulgação científica na internet. "Não é fácil lidar com essa linguagem mais moderna", afirma. Para Simões, a experiência foi desafiadora, mas abriu novas possibilidades para a instituição: "Um dia a gente vai viralizar", diz.

O Parque da Ciência Newton Freire Maia, localizado na cidade de Pinhais, região metropolitana de Curitiba, voltou os esforços nos primeiros meses da pandemia para a modernização do espaço e construção de novos experimentos no local. Nos últimos meses, o Parque passou a transmitir sessões de astronomia pela internet, no canal youtube.com/user/ParquedaCienciaPR.

O planetário do Parque é pioneiro em fazer as apresentações considerando a astronomia tradicional e a indígena, com constelações que formam animais típicos do Brasil, como a anta e a ema.

"Ficamos surpresos com a repercussão dos vídeos e queremos expandir. Não temos como atingir todas as escolas do Paraná, mesmo com a exposição itinerante que mantemos. Os meios digitais são uma forma rápida de levar conhecimento em um momento em que as pessoas precisam de material confiável", diz Anisio Lasievicz, diretor do Parque, que conta com mais de 8 mil metros quadrados de área de exposições.

Uma das maiores referências em centro de divulgação científica do país, o Museu Catavento, em São Paulo, está aberto desde o final de abril, mas o público, que antes era de cerca de 2.500 pessoas por dia, agora não pode passar de 490 pessoas diariamente para evitar aglomerações.

Crianças participam de experimento no Museu Catavento, em São Paulo Mathilde Missioneiro/Folhapress Crianças caminham sobre estrutura circular; todos na imagem usam máscaras **** A visita deve ser agendada antecipadamente por um dos telefones do museu, e alguns setores do prédio ainda estão fechados. "Lugares sem ventilação adequada ou que poderiam ter aglomeração vão continuar fechados por enquanto", diz Pamela Andrade, historiadora que faz parte do educativo do Catavento.

Em paralelo, o Catavento vem desenvolvendo atividades nas redes sociais, o que envolveu toda a equipe de profissionais da instituição. Séries de vídeos disponíveis no YouTube englobam boa parte das atividades e da história do museu.

No ano passado, o Zooparque Itatiba, em Itatiba (a cerca de 80 quilômetros de São Paulo) inaugurou o espaço "Viagem pela Evolução e Biodiversidade do Mundo", um museu de ciências que passa por diversas áreas do conhecimento em uma área ampla, com mais de 2 mil metros quadrados de exposição.

O ingresso (R$ 30 para crianças de 3 a 11 anos e R$ 70 para adultos) permite visita ao museu e ao zoológico mantido ali.

Para gestores das instituições, a pandemia mostrou que a transformação digital veio para ficar, mas, do lado dos museus, ainda precisa ser lapidada, e do lado do poder público, é preciso ampliar o acesso à internet de qualidade e a equipamentos que permitam usufruir do material educativo disponível.

Na avaliação dos gestores, as escolas públicas foram as que mais sofreram com o fechamento dos espaços. "Recebíamos gratuitamente escolas que ficam em áreas de vulnerabilidade social, e agora não conseguimos atender a esse público com a tecnologia", diz Lucena, do museu da PUCRS.

Onde encontrar os museus de ciência

Museu Catavento (São Paulo)

Quando: visitas presenciais de quarta-feira a domingo, das 11h às 16h; agendamento obrigatório pelos telefones (11) 3315 0051 e (11) 3246 4140, de segunda a sexta-feira, das 10h às 16h

Quanto: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

Onde: avenida Mercúrio, s/n - Parque Dom Pedro II

Programação na internet: instagram.com/museucatavento; facebook.com/cataventocultural e youtube.com/user/CataventoCultural

Museu de Ciências e Tecnologia - PUCRS (Porto Alegre)

Quando: visitas presenciais de terça a sexta-feira, das 9h às 17h; sábados, das 10h às 18h; agendamento obrigatório pelo telefone (51) 3320-3521, email mct@pucrs.br e site pucrs.br/mct

Quanto: R$ 20

Onde: avenida Ipiranga, 6681 - Partenon

Programação na internet: facebook.com/museudapucrs; tiktok.com/@museudapucrs e twitter.com/museupucrs

MM Gerdau - Museu das Minas e do Metal (Belo Horizonte)

Programação na internet: instagram.com/mmgerdau

Espaço do Conhecimento UFMG (Belo Horizonte)

Programação na internet: instagram.com/espacoufmg; facebook.com/espacodoconhecimentoufmg e youtube.com/user/espacoufmg

Casa da Ciência da UFRJ (Rio de Janeiro)

Programação na internet: casadaciencia.ufrj.br; youtube.com/user/CasadaCiencia e instagram.com/casadacienciadaufrj

Parque da Ciência Newton Freire Maia (Pinhais, região metropolitana de Curitiba)

Programação na internet: parquedaciencia.pr.gov.br; instagram.com/parquedaciencia e youtube.com/user/ParquedaCienciaPR

Zooparque Itatiba (Itatiba, região metropolitana de Campinas)

Quando: visitas presenciais todos os dias, das 9h às 17h

Quanto: R$ 35 (crianças de 3 a 11 anos) e R$ 70 (adultos); crianças de até 2 anos têm entrada gratuita

Mais informações no site: zooparque.com.br

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos