Rejeitado pelo eleitorado feminino, Bolsonaro faz acenos às mulheres, mas comete gafe em evento

·2 min de leitura
Presidente Jair Bolsonaro conversa com ministra da Agricultura, Tereza Cristina, durante cerimônia no Palácio do Planalto

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - Em baixa entre o eleitorado feminino, o presidente Jair Bolsonaro usou o dia internacional da mulher, comemorado nesta terça-feira, para fazer acenos, inclusive com a criação de projetos que ele mesmo havia vetado, como o que cria a distribuição de absorventes para mulheres pobres.

Em um Palácio do Planalto forrado em cor de rosa, a cerimônia deu espaço para as mulheres do governo falarem --com destaque para a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, vista no grupo de campanha como um trunfo para suavizar a imagem do presidente junto às mulheres. Bolsonaro fez um rápido discurso, e conseguiu desagradar justamente as mulheres.

"Hoje em dia as mulheres estão praticamente integradas à sociedade", afirmou, complementando depois: "Nós as auxiliamos, nós estamos sempre ao lado delas, não podemos mais viver sem elas."

A última pesquisa Datafolha, publicada em dezembro, mostra que 61% das mulheres entrevistadas disseram que não votam em Bolsonaro em nenhuma hipótese, enquanto 55% consideram seu governo ruim ou péssimo.

Nesse grupo do eleitorado --que é a maioria,, 52,4%, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral-- Bolsonaro também tem menor intenção de votos: apenas 18% delas declararam intenção de votar no presidente, contra 24% dos entrevistados homens.

À época, Bolsonaro chegou a ironizar os resultados.

"Segundo pesquisa, as mulheres não votam em mim, a maioria vota na esquerda", disse, e "recomendou" que as mulheres brasileiras fossem visitar Pacaraima, na fronteira com a Venezuela, e conversar com venezuelanas que estariam imigrando para o Brasil.

Com a eleição se aproximando, Bolsonaro foi convencido a olhar com atenção para um eleitorado que não tem a menor simpatia por sua reeleição. No evento desta manhã, foram assinados 23 decretos e projetos de lei com ações voltadas às mulheres, e o governo tentou fazer um apanhado de medidas que supostamente beneficiam as mulheres, como linhas de microcrédito.

Entre os decretos assinados, a criação de um programa de distribuição de absorventes a mulheres e meninas de baixa renda cujo texto é praticamente uma cópia do projeto contra a chamada pobreza menstrual, das deputadas Marília Arraes (PT-PE) e Tabata Amaral (PDT-SP), vetado por Bolsonaro em outubro do ano passado.

À época, o governo alegou que o projeto não tinha previsão de recursos. Agora, de acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o governo encontrou 130 milhões de reais no orçamento da sua pasta disponíveis para financiar a proposta e atender cerca de 3,6 milhões de mulheres de baixa renda a partir de nove anos de idade.

O governo, na verdade, se adiantou à derrubada do veto, que estava programada para a próxima quinta-feira. Já havia um acordo entre os parlamentares para a derrubada do veto.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos