Relatório de ataque de Viena revela erros de inteligência

Jastinder KHERA
·2 minuto de leitura
Homenagem às vítimas do atentado de Viena

As agências de Inteligência da Áustria perderam várias oportunidades de detectar o perigo representado pelo jihadista que realizou um ataque que deixou quatro pessoas mortas em Viena em novembro, de acordo com um relatório policial publicado nesta quarta-feira (23).

O relatório parcial é o primeiro conduzido por uma comissão governamental que analisa como a ameaça foi enfrentada antes do ataque de 2 de novembro.

O documento diz que a avaliação de ameaça do agressor foi feita entre dezembro de 2019, quando ele foi solto da prisão, até outubro deste ano. A análise mostrou que o agressor, morto pela polícia, representava um "alto risco".

O relatório concluiu que "o fato de uma avaliação inicial levar pelo menos 10 meses parece inaceitável."

O autor do ataque em Viena era um jovem austríaco de 20 anos da Macedônia do Norte que simpatizava com o grupo jihadista Estado Islâmico (EI). Ele foi condenado em abril de 2019 a 22 meses de prisão por ter tentado viajar para Síria para se juntar ao EI.

O ataque foi reivindicado pelo grupo jihadista e representou o primeiro atentado islâmico na história da Áustria.

O órgão de Inteligência responsável pelo monitoramento de atividades perigosas na capital (LVT Wien), atribuiu a demora na avaliação da ameaça à falta de recursos, segundo o relatório.

Além disso, o pessoal da agência nacional de Inteligência interna, o BVT, sentiu "grande insegurança" devido a ações sobre seus agentes ordenadas pelo Ministério do Interior em 2018.

Os autores afirmam que seria possível estabelecer a avaliação do agressor como de "alto risco" em julho, quando ele participou de reuniões com islâmicos alemães e suíços já conhecidos.

Apesar de alertados por contatos da inteligência alemã, as agências austríacas não perceberam a gravidade dos encontros, disse a comissão.

O relatório observa que agentes do BVT pediram silêncio a um oficial do LVT Wien, que tentou avisar que o encontro seria evidência de "uma célula terrorista altamente perigosa".

O BVT rejeita essas acusações. Em julho, as autoridades eslovacas também informaram que o agressor tentou comprar munição.

Um relatório final da comissão é esperado no final de janeiro.

O mais alto funcionário de segurança austríaco, Franz Ruf, afirmou que os resultados do relatório serão aplicados nas reformas que estão sendo realizadas nas agências denunciadas.

jsk/jxb/bc/af/jc/mvv