Relatório revela que 610 crianças foram vítimas de pedofilia em diocese alemã

Um relatório independente apresentado nesta segunda-feira indicou que 610 crianças foram vítimas de abusos sexuais cometidos por religiosos na diocese de Münster durante 75 anos, embora o número real de vítimas possa chegar a 6 mil. São 183 sacerdotes implicados, segundo o relatório elaborado por cinco especialistas da Universidade de Münster, no Oeste da Alemanha, que analisaram os casos de pedofilia entre 1945 e 2020.

Pelo menos 1.237 vítimas: Igreja Católica da Espanha abre investigação sobre denúncias de abusos sexuais cometidos por clérigos

Bento XVI: Ex-pontífice acobertou casos de abusos sexuais contra menores quando era arcebispo, diz imprensa alemã

Propinas, nepotismo e espiões: A trama que faz tremer o Vaticano

No total, foram identificados 196 clérigos, o equivalente a mais de 4% dos clérigos deste bispado, e 90% deles nunca foram processados.

O relatório indica que, em média, dois atos de pedofilia eram cometidos por semana nesta diocese nas décadas de 1960 e 1970.

O estudo reflete um "espantoso histórico", disse um de seus autores, Klaus Grosse Kracht, que denunciou o encobrimento sistemático dos abusos.

Novas medidas: Papa Francisco revisa lei da Igreja Católica e endurece regras sobre abuso sexual e pedofilia

Os responsáveis "calaram, guardaram silêncio e só intervieram superficialmente quando foi necessário para evitar um escândalo público", denunciou.

Para Natalie Powroznik, outra autora, o número real de vítimas deve ser de oito a dez vezes maior. "Entre 5 mil e 6 mil meninas e meninos" sofreram abusos sexuais, segundo ela.

Leia mais: Bispos franceses venderão bens de dioceses para indenizar vítimas de abuso sexual

O documento se soma a outros estudos sobre o alcance da pedofilia na Igreja católica alemã desde o final da Segunda Guerra Mundial.

O escândalo das agressões sexuais no seio da Igreja católica tem afetado a Alemanha e muitos outros países, e implica gravemente o papa emérito Bento XVI enquanto arcebispo na Baviera.

Na arquidiocese de Munique-Freising, entre 1945 e 2019, ao menos 497 pessoas, em sua maioria crianças e adolescentes, sofreram agressões sexuais, segundo um relatório publicado em janeiro.

Defesa: Conservadores defendem Bento XVI de acusações de omissão em casos de pedofilia na Igreja

O autor, um escritório de advocacia, acusou o pontífice emérito de inação diante dessa violência sexual e de não ter feito nada em vários casos para impedir o abuso contra crianças.

Bento XVI reafirmou que nunca havia ocultado atos de agressão sexual.

Outro relatório condenatório, publicado em março de 2021, revelou que centenas de menores sofreram abusos sexuais na diocese de Colônia, a maior do país, entre 1975 e 2018.

Em 2018, vários investigadores universitários, financiados pela Igreja, mas sem acesso aos arquivos, elaboraram outro relatório que revelou que ao menos 3.677 crianças foram vítimas de violência sexual na Alemanha entre 1946 e 2014.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos