Relator no TCU quer investigar 'omissões' de Pazuello e diz que segunda onda de Covid-19 era anunciada

O Globo
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - O ministro Benjamin Zymler, relator no Tribunal de Contas da União (TCU) do processo sobre a conduta da Saúde na pandemia de Covid-19, defendeu nesta quarta-feira abertura de processo separado para avaliar omissões do ex-ministro Eduardo Pazuello e ex-secretários do Ministério da Saúde nas estratégias de comunicação, testagem e distribuição de insumos.

Para o ministro, a efetivação de uma estratégia de testagem e de comunicação com a população é de “crucial importância” para se reverter o atual quadro da pandemia no país.

“A chamada segunda onda, era anunciada e exigiam-se medidas adicionais de prevenção e preparo da estrutura de saúde. Não foi o que aconteceu, entretanto”, diz o ministro em seu voto.

No relatório, ele destaca que “o que se verificou, na verdade, foram práticas não condizentes” com o proposto pelo próprio tribunal anteriormente, “caracterizando eventual conduta omissiva dos gestores”.

Outro problema apontado é com relação ao Plano de Contingência, que com as alterações retirou responsabilidades do Ministério da Saúde no monitoramento do estoque estratégico de insumos para o enfrentamento da pandemia.

Na sessão desta quarta-feira, os ministros Augusto Nardes e Jorge Oliveira pediram vista (mais prazo para analisar o processo).

O relatório técnico sugeria punição de Pazuello, do ex-secretário-executivo Élcio Franco Filho e do secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos, Hélio Angotti Neto por erros no combate à pandemia de Covid-19 com uma multa de R$ 67 mil.