Relatório da FIFA indica que jogadores franceses valem mais que brasileiros

·2 min de leitura
France's goalkeeper Hugo Lloris holds the trophy as he celebrates with teammates during the trophy ceremony at the end of the Nations League final football match between Spain and France at San Siro stadium in Milan, on October 10, 2021. (Photo by FRANCK FIFE / AFP) (Photo by FRANCK FIFE/AFP via Getty Images)
Estudo sobre transferências internacionais mostrou que, pela primeira vez na história, brasileiros perderam para os franceses. Foto: (FRANCK FIFE/AFP via Getty Images)

Divulgado desde 2012, quando a FIFA passou a publicá-lo de forma anual, o relatório de transferências da entidade que controla o futebol mundial apresentou, pela primeira vez na história, resultado que mostra que os jogadores franceses foram os que movimentaram mais dinheiro nas transferências.

Registrando queda brusca nos valores, o relatório de 2021 indicou que foram gastos 468,4 milhões de dólares no último ano (aproximadamente R$ 2,6 bilhões na cotação atual), 36% abaixo dos 734 milhões de dólares de 2020.

Leia também:

Líder de movimentações no mercado mundial, o Brasil ocupa a primeira posição do pódio e com folga. Nem se a segunda colocada Argentina, com 896 transferências, e a Inglaterra, que ocupa a terceira posição com 820 somassem suas transferências, chegariam às 1.749 que o Brasil registrou no ano de 2021.

No top 10 de transferências mais caras da última temporada, nenhum brasileiro apareceu:

  1. Romelu Lukaku, da Inter de Milão para o Chelsea

  2. Jadon Sancho, do Borussia Dortmundo para o Machester United

  3. Achraf Hakimi, da Inter de Milão para o PSG

  4. Raphael Varane, do Real Madrid para o Manchester United

  5. Tammy Abraham, do Chelsea para a Roma

  6. Ibrahima Konaté, do RB Leipzig para o Liverpool

  7. Martin Odegaard, do Real Madrid para o Arsenal

  8. Amad Diallo, da Atalanta para o Manchester United

  9. Eduardo Camavinga, do Rennes para o Real Madrid

  10. Bryan Gil, do Valencia para o Tottenham

Por fim, o relatório da FIFA confirma o que já se observava: os clubes da América do Sul formam e vendem jogadores. Foram 2.578 atletas vendidos no último ano, enquanto 2.297 foram adquiridos. A diferença, porém, se mostra nos valores: Os clubes sul-americanos faturaram 554 milhões de dólares (equivalente a R$ 3,07 milhões), enquanto gastaram apenas 77,3 milhões de dólares (R$ 428 milhões).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos