Remédio para artrite é usado contra Covid e deixa pacientes sem medicação

Redação Notícias
·3 minuto de leitura
Corona virus
Corona virus
  • O tocilizumabe, medicamento para artrite, está sendo desviado para o tratamento da Covid-19

  • Hospitais particulares já relatam falta do remédio, usado para reduzir a inflamação pulmonar em pacientes na UTI

  • A Sociedade Brasileira de Reumatologia pede que o governo crie regras específicas para o uso do medicamento

A Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) alerta para a falta do medicamento tocilizumabe, prescrito para pacientes com artrite, que está sendo usado como tratamento alternativo contra o coronavírus.

O tocilizumabe diminui a inflamação em pessoas com artrite reumatoide, artrite infantil (artrite idiopática juvenil) e em outras doenças sistêmicas autoimunes. Na Covid-19, o medicamento tem sido usado para reduzir a inflamação pulmonar gerada pela doença, geralmente em pacientes na UTI (Unidade de Terapia Intensiva). Com a piora da pandemia, hospitais têm desviado o medicamento de um setor para o outro. A SBR identificou a falta do remédio na rede particular.

"Há hospitais que vão até a área que trata artrite reumatoide e fazem a solicitação do medicamento. Aí gera um dilema ético: vai tentar evitar a morte de um paciente ou atrasar o tratamento do outro?", questionou Ricardo Xavier, presidente da SBR, em entrevista ao portal UOL.

A substância oferece um resultado já avaliado em alguns estudos, mas seu uso para tratar a Covid não foi aprovado pelas agências reguladoras do Brasil e do exterior. É o que chamam de "off label", quando o remédio é prescrito para tratamento fora da bula.

"Pacientes com artrite possuem, dentro da articulação, um processo inflamatório crônico, não tão excessivo como o da Covid, mas que começa e vai destruindo o tecido do osso na articulação e desenvolvendo deformidades. O paciente tem dor nas juntas etc. A medicação ajuda nisso, nessa inflamação. Ela controla a doença, não deixando ter dor, rigidez nem corroer o osso", explicou o presidente da SBR.

A entidade solicita, junto à AMB (Associação dos Médicos do Brasil), para que o governo e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) criem regras específicas do uso do medicamento na Covid. A artrite reumatoide atinge entre 0,5% e 1% da população brasileira e 0,1% em sua forma infantil. Cerca de 20% dos pacientes adultos com a doença são tratados com tocilizumabe. Como não tem cura, o remédio precisa ser administrado durante toda a vida, geralmente em injeções mensais ou semanais.

"Tirar esse medicamento pode causar retrocesso. Alguns pacientes com a doença bem controlada há bastante tempo podem ficar alguns meses [sem tomar]. Já em outros, a doença volta [a se desenvolver] em questão de um, dois meses. Com criança, pode ser muito prejudicial", advertiu Xavier.

Por meio de comunicado atualizado pela última vez em 19 de abril, a farmacêutica Roche, que produz o Actemra (tocilizumabe), disse ter comunicado a Anvisa sobre o desabastecimento desde 23 de dezembro, com atualização em 31 de março.

"É importante ressaltar que a Roche atende integralmente a legislação brasileira e não realiza nem apoia nenhuma ação de promoção do uso de Actemra para indicações não aprovadas em texto de bula", informou a empresa.