Renan Calheiros pede ao Twitter cancelamento de mais de 3 mil perfis apoiadores de Bolsonaro

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Renan Calheiros pediu o cancelamento de contas no Twitter (AP Photo/Eraldo Peres)
Renan Calheiros pediu o cancelamento de contas no Twitter (AP Photo/Eraldo Peres)
  • Renan Calheiros pediu o cancelamento de 3.043 perfis no Twitter

  • Eles seriam robôs apoiadores do presidente Jair Bolsonaro

  • O senador detectou os perfis falsos com uso de um aplicativo

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) pediu ao Twitter que cancele mais de três mil contas. Provável relator da CPI da Covid-19, ele vem sofrendo ataques nas redes sociais que, segundo o próprio, seriam de robôs apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

De acordo com informações da coluna de Lauro Jardim no jornal O Globo, foram 3.043 contas que Renan pediu para cancelar. Ele teria utilizado um aplicativo para detectar que tratam-se de perfis falsos.

Leia também

Segundo o aplicativo, de mil menções ao nome do senador no último domingo no Twitter, 67% foram feitas por robôs apoiadores de Bolsonaro, que já haviam manifestado apoio ao presidente, por exemplo, quando ele criticou o uso de máscaras e o lockdown como meios de combate à Covid-19.

Bolsonaro tem sido alvo de críticas de Renan (AP Foto/Eraldo Peres)
Bolsonaro tem sido alvo de críticas de Renan (AP Foto/Eraldo Peres)

A intenção de Renan seria retirar os perfis falsos para saber o que a opinião pública realmente pensa dele, afinal, o senador tem sido um crítico ferrenho da atuação do presidente.

Renan acusou Bolsonaro de tentar driblar problemas com orçamento

No último sábado, Renan utilizou justamente o Twitter para denunciar o que seria uma manobra do governo Bolsonaro para conseguir maioria no Tribunal de Contas da União (TCU) e se blindar contra a acusação contra eventual crime de responsabilidade por causa da sanção do Orçamento de 2021.

"O Orçamento atual é um verdadeiro tour de france. Festival de irregularidades e sequestro de R$ 51 bi para emendas parlamentares e do ex-relator. Trocar ministro do TCU para tentar driblar a inconstitucionalidade do que foi aprovado pelo Congresso é absurdo", escreveu.

A acusação seria um dos motivos para os ataques ao senador pelos perfis bolsonaristas.