Renan leva sugestões de perguntas de ‘internautas’ a Pazuello para CPI

·1 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 19.05.2021: CPI-COVID-DF - O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, um dos principais alvos da comissão de inquérito do Senado, presta depoimento na CPI da Covid, em Brasília, nesta quarta-feira. O senador Renan Calheiros (MDB-AL) é o relator da CPI.  (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 19.05.2021: CPI-COVID-DF - O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, um dos principais alvos da comissão de inquérito do Senado, presta depoimento na CPI da Covid, em Brasília, nesta quarta-feira. O senador Renan Calheiros (MDB-AL) é o relator da CPI. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL), levou sugestões de perguntas de "internautas" que interagem em suas redes sociais ao ex-ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello. Entre elas, uma que questionava se o ex-ministro seguia ou não as normas da OMS (Organização Mundial de Saúde) e se o general achava que tinha capacidade para comandar a pasta sem ser médico.

Nesta terça-feira, Renan colocou o " quadro de perguntas" no Instagram, ferramenta em que os seguidores conseguem interagir com a sua conta, pedindo sugestões de perguntas à CPI.

"O que você gostaria de perguntar ao ex-ministro Eduardo Pazuello", perguntou.

Horas depois, ele agradeceu pelas sugestões: "Gostaria de agradecer aos que contribuíram com perguntas e apoiar a CPI da Pandemia. Foram milhares de perguntas, separei algumas para fazer hoje, a participação de todos é muito importante. Gratidão", disse.

Segundo a assessoria do senador, ele recebeu cerca de 5 mil sugestões de perguntas, que também chegaram via Twitter. A triagem é feita por três pessoas de sua equipe, que selecionam as que mais se repetem.

"É a primeira vez que temos uma CPI com interesse das pessoas e redes sociais. Ouvi-las é uma forma de trazer a população para também participar da comissão", disse Renan, que também viralizou nas redes nesta semana com memes de paródias de funk e vídeos sobre sua participação na CPI.