Renault fará PDV para 250 funcionários

·1 minuto de leitura

RIO — A falta de peças para fabricação de automóveis levou três montadoras do país a anunciarem mudanças no regime de trabalho. A Renault aprovou um programa de demissão voluntária (PDV) com saída estimada de 250 pessoas e suspensão temporária de contrato (lay-off) para 300 funcionários nos próximos meses.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Sérgio Butka, alerta para a crise internacional de componentes, que levaria à perda de competitividade das empresas.

— Os trabalhadores novamente precisam “investir” para garantir emprego, concedendo INPC em troca de abono, aceitando um PDV e redução de jornada para deixar a empresa mais competitiva. São os trabalhadores que estão buscando as soluções — ressaltou.

Assim como a Renault, o sindicato dos trabalhadores da Fiat Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, anunciou, na última sexta-feira, que pretende seguir com o programa de suspensão de contratos de trabalho.

A decisão também foi motivada pela escassez global de insumos, e pode afetar até 6,5 mil funcionários, com suspensões de contratos por 2 a 4 meses.

No sábado, foi a vez da Volkswagen anunciar que vai colocar 800 funcionários da fábrica em Taubaté, interior de São Paulo, em férias coletivas. Os trabalhadores devem retornar no dia 7 de outubro. O Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região anunciaram que, inicialmente, a medida afetaria 2 mil trabalhadores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos