Renovação de concessão vai separar ferrovias para passageiros e cargas em SP

*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 13.05.2021 - Trem passa pela malha da MRS próximo à estação Evangelista de Souza, no extremo sul de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 13.05.2021 - Trem passa pela malha da MRS próximo à estação Evangelista de Souza, no extremo sul de São Paulo. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) - A renovação antecipada por mais 30 anos da concessão ferroviária da MRS Logística, que será assinada nesta sexta-feira (29), prevê que, em até dez anos, os trilhos entre São Paulo e Jundiaí estejam segregados, com linhas específicas para o transporte de passageiros e de cargas.

Com os trilhos hoje compartilhados pela concessionária e pela CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), o crescimento das opções de tráfego no entorno da capital é essencial para permitir a ampliação do escoamento de cargas rumo ao porto de Santos e, também, do transporte de passageiros.

A proposta é uma das constantes nas obrigações definidas entre a MRS e a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) para prorrogar antecipadamente o contrato até 2056 -ele venceria em 2026. O atual, com validade também de 30 anos, foi assinado em 1996, no primeiro governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

"Ao separar em 8 ou 10 anos as linhas, isso permitirá o crescimento de ambos. Hoje os trens da MRS basicamente andam de madrugada, fora de horário de pico, e precisam ser trens mais leves, menores. A partir do momento que separar, as duas empresas [CPTM e MRS] ganham, pois poderão fazer seus investimentos", disse o presidente da MRS, Guilherme Segalla de Mello.

A concessionária administra 1.643 quilômetros de trilhos em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, entre eles o trecho que leva ao porto de Santos, o mais importante da América Latina.

Segundo a ANTT, 30% da carga ferroviária brasileira passa pelos trilhos operados pela MRS.

O prazo para a segregação se deve, segundo ele, às especificidades das obras, que serão feitas com restrições de horário devido à operação da linha 7-Rubi, que liga Rio Grande da Serra a Jundiaí e é a mais longa da CPTM, com 100 quilômetros.

Ela é oriunda da São Paulo Railway, criada no século 19 e pioneira no transporte ferroviário em São Paulo. "São 18 estações entre Jundiaí e Luz, eram 750 mil passageiros por dia antes da pandemia. É difícil fazer uma obra de trem com o trem literalmente andando."

O contrato prevê que será construída a linha nova, que será seguida da transferência da rede aérea de eletrificação. O próximo passo será capacitar a linha antiga para o uso de cargas.

Estações serão remanejadas, já que em alguns momentos a linha São Paulo-interior estará do lado esquerdo e, em outros, do lado direito.

O ideal, de acordo com o executivo, seria a existência de seis linhas férreas, sendo duas utilizadas pela MRS, duas pelo Trem Intercidades e outras duas pelas operações da CPTM, mas o sistema contará com quatro linhas.

A concessionária terá uma, assim como o Intercidades, cabendo as outras duas aos trens da CPTM.

No total, os investimentos previstos na renovação da concessão chegarão a R$ 11 bilhões e contemplam ainda melhoria da mobilidade urbana, com a redução de conflitos urbanos em 51 cidades das 105 cortadas pela MRS. O investimento nas obras será de R$ 1 bilhão.

Conflitos urbanos são problemas como cruzamentos férreos dentro das cidades, locais sem segurança adequada, falta de cercas ou ausência de passagens para pedestres.

Boa parte deles está no Vale do Paraíba, em municípios como Pindamonhangaba. Na mineira Juiz de Fora, a ferrovia corta a cidade em 29 pontos, o que exigirá obras como vedação de muros e implantação de passagens de pedestres.

A segregação é vista como importante, além de ampliar a oferta de linhas férreas, por conta das diferenças entre os dois tipos de transporte: enquanto o trem de passageiros é mais leve e rápido, o de carga é pesado e lento. Isso impacta de forma diferente na conservação da ferrovia.

No total, o projeto estima investimentos de R$ 2,2 bilhões nas obras de segregação. Além da chamada Noroeste, entre a capital e Jundiaí, a ligação da Mooca ao centro de São Paulo, denominada Sudeste, também receberá melhorias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos