Repórter é agredido por manifestante durante protesto em rodovia de Goiânia

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO — Durante um protesto de empresários na BR-153, em Goiânia (GO), um manifestante agrediu uma equipe de reportagem da TV Serra Dourada, afiliada do SBT, na segunda-feira. O repórter Maycon Leão e um cinegrafista faziam uma reportagem ao vivo quando um homem, com a camisa da seleção brasileira, se aproximou e agrediu o repórter.

Em um vídeo que circula nas redes sociais, o jornalista questiona o agressor para entender o motivo da agressão e avisa que ele deve se afastar do cinegrafista. Ainda no ar, ele faz um pedido para produção chamar a polícia militar para denunciar o caso.

“Não justifica o senhor me agredir. O senhor sair de onde o senhor estava pra vim me bater. O senhor agrediu meu câmera. O senhor derrubou a câmera, colocou a mão no meu celular. Estamos levando a informação para a população, é um serviço essencial. Porque o senhor está indo pra cima dele? Dá licença do meu câmera? Não quero conversar com o senhor. Não vou sair da rodovia. Produção, pede pra polícia vir aqui”, disse Maycon.

Na tarde desta segunda-feira, outra agressão a jornalistas foi registrada em vídeo. Um repórter cinematográfico do Estado de Minas foi agredido a chutes e golpes de capacetes durante manifestação favorável ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em frente ao 12º Batalhão de Infantaria de Belo Horizonte. O jornalista, que teve sua identidade preservada pelo jornal, foi chamado de "comunista" enquanto era golpeado por manifestantes. A gravidade das agressões aumentou depois que afirmou que não iria sair do local, porque estava registrando o protesto.

O repórter cinematográfico registrou o boletim de ocorrência na Delegacia Adjunta ao Juizado Especial Criminal e não saiu do local até a chegada da polícia. Um dos agressores, identificado como Paulo César Bretas, batia enquanto critava: "Eu sou brasileiro".