Repórter é hostilizado no Catar por estar com a bandeira de Pernambuco

Repórter brasileiro foi hostilizado no Catar por estar com bandeira de Pernambuco (Reprodução: Twitter/@ovictorpereira)
Repórter brasileiro foi hostilizado no Catar por estar com bandeira de Pernambuco (Reprodução: Twitter/@ovictorpereira)

A Copa do Mundo chegou ao terceiro dia nesta terça-feira (22). Até agora, grandes jogos agitaram o torneio mais aguardado do planeta. No entanto, uma série de questões políticas estão afetando o campeonato. Um deles é a postura do governo do Catar contra os homossexuais. Qualquer pessoa com qualquer símbolo que remeta a comunidade LGBTQIA+ está sendo abordada por policiais e moradores do país. E esse preconceito fez um repórter brasileiro ser hostilizado no Catar.

O repórter Victor Pereira gravou e postou um relato no Twitter. Ele faz a cobertura do Mundial para vários veículos do nordeste brasileiro. Ele disse que estava com a bandeira de Pernambuco quando foi abordado e hostilizado por policiais e moradores do Catar.

Leia também:

"Eu estou nervoso, estou tremendo aqui, porque de fato a gente estava com a bandeira de Pernambuco. Fui atacado por alguns integrantes do Catar e também policiais porque eles vieram em cima achando que era uma bandeira LBGT, mas na verdade apenas uma bandeira de Pernambuco. Fui filmar, eles pegaram meu telefone e só devolveram me obrigando a deletar o vídeo que fiz. Isso é um absurdo, porque nós temos autorização da Fifa para filmar absolutamente tudo aqui no estádio", desabafou o repórter.

Na sequência, Victor postou um vídeo que recebeu de uma pessoa que filmou a ação contra ele. Por estar de longe, não dá para compreender totalmente a conversa. Mas, em alguns momentos dá para ver o repórter dizendo que é jornalista e questionando quem é a pessoa que o está hostilizando.

Ainda de acordo com Victor, pegaram a bandeira de Pernambuco e pisaram nela. Segundo o jornalista, ele filmou a ação. E foi esse vídeo que obrigaram a deletar para que tivesse o celular de volta.

Outro repórter foi hostilizado

Nesta segunda-feira (21), o o jornalista norte-americano Grant Wahl foi impedido de acessar a área de mídia do local por causa da roupa que estava usando: uma camisa com uma bola de futebol envolta por um arco-íris, símbolo da comunidade LGBTQIA+.