Represa em fazenda de Gusttavo Lima não rompeu por questão de horas, diz delegado

Represa foi esvaziada quase por completa, reduzindo o risco de rompimento a praticamente zero. (Foto: Divulgação/Dema/Polícia Civil)

A barragem da represa construída dentro de uma fazenda do cantor sertanejo Gusttavo Lima, localizada no município de Bela Vista de Goiás (GO), esteve próxima de romper por questão de horas, conforme avaliou o delegado Luziano de Carvalho, titular da Dema (Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente).

Uma operação para esvaziar e diminuir de volume de água do barramento, denominado Barragem do Córrego Olaria, estava sendo realizada desde segunda-feira (20) e foi concluída nesta quinta (23). A medida foi determinada pela Polícia Civil após o talude apresentar rachaduras e risco de rompimento.

Leia também

“Agora, o risco de romper está próximo de zero, está praticamente esvaziada a represa. Mas foi questão de horas pra aquilo romper. Quando fui fazer a visita na segunda-feira, perguntei se havia uma mina de água ou nascente, mas eram, na verdade, trincas e rachaduras”, relatou Luziano.

Segundo o delegado, foram os técnicos de uma empresa, contratada pelo próprio cantor para avaliar a situação da represa, que comunicaram a Polícia Civil, os Bombeiros e a Semad (Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) dos riscos de rompimento.

“A primeira coisa que pensamos foi em retirar moradores das áreas próximas, mas era uma operação drástica demais. Ali têm casas centenárias, famílias estabelecidas, como vou entrar tirando senhoras de idade e comunidades inteiras? Fora mata ciliar farta, uma rodovia ali perto. O ponto foi instalar duas bombas para diminuir o volume de água e reduzir o risco de rompimento", completou o delegado.

Um pequeno canal também foi aberto para auxiliar no escoamento da água e normalizar a vazão.

Canal foi aberto para auxiliar no escoamento da água da represa. (Foto: Divulgação/Dema/Polícia Civil)

A operação de bombeamento foi concluída nesta quinta, mas a avaliação da Dema é de que o barramento precisa ser totalmente refeito. “Aquele talude ali precisa ser destruído e reconstruído do zero. Não tem conserto, tem que ser refeito”, afirmou Luziano.

As obras para reconstrução do barramento serão iniciadas nos próximos dias, segundo a assessoria do cantor.

OUTRO LADO

O staff de Gusttavo Lima informou que a barragem foi construída há mais de 25 anos sem nenhum processo de licença ambiental e que "nenhum dos proprietários anteriores requisitou a licença". A propriedade foi adquirida pelo cantor em setembro de 2017.

Em dezembro do mesmo ano, um pedido de licença ambiental foi protocolado na Semad, segundo a assessoria, solicitando autorização para execução de reforço no barramento. As obras foram iniciadas sem a permissão do órgão, motivo pelo qual foram embargadas em janeiro de 2018.

Represa antes da operação de redução do nível da água. (Foto: Divulgação/Dema/Polícia Civil)

Uma licença-provisória de 30 dias foi emitida, mas o tempo não foi hábil para término das obras, segundo a assessoria do cantor. A busca pela licença definitiva perdura até os dias de hoje, segundo a assessoria.

Ciente da necessidade do reparo, uma empresa foi contratada para avaliar o talude e constatou risco de rompimento imediato, comunicando a Dema, Defesa Civil, Semad e Corpo de Bombeiros.