‘Representa milhares de mulheres’, diz Flordelis sobre supostos abusos sofridos por filha que admitiu plano para matar Anderson

Carolina Heringer
·2 minuto de leitura

A deputada federal Flordelis dos Santos de Souza falou pela primeira vez, nesta quinta-feira, sobre o depoimento de sua filha biológica, Simone dos Santos, à Justiça. Em seu interrogatório no mês passado, Simone admitiu ter planejado a morte de seu padrasto, o pastor Anderson do Carmo, supostamente por não aguentar mais as investidas sexuais da vítima. "Simone representa milhares de mulheres que gritam e não tem voz nesse país. Que sofrem abusos e não conseguem gritar por socorro", escreveu Flordelis em seu Instagram.

A deputada escreveu, ainda, que a notícia não lhe traz nenhum alívio e afirma que as revelações sobre a autoria do crime foram um duro golpe. Apesar de Simone ter admitido o planejamento da morte de Anderson em seu depoimento, ela afirmou não saber se o plano tinha sido levado adianta pela irmã, Marzy Teixeira. As duas filhas de Flordelis estão presas e são acusadas de envolvimento na morte de Anderson.

"Acho que ela poderia ter confiado em mim. Se tivesse me contado o que estava acontecendo, essa tragédia teria sido evitada", escreveu Flordelis em sua postagem. Simone negou que sua mãe soubesse das investidas de Anderson.

Em seu depoimento, Simone afirmou que Anderson sempre havia demonstrado interesse nela, mas "deu a entender" em 2012, quando passou a custear seu tratamento contra o câncer. A filha de Flordelis ainda alegou que chegou a flagrar Anderson se masturbando no pé de sua cama e alegou ter dado R$ 5 mil para Marzy ajudá-la, pois não aguentava mais as investidas sexuais por parte da vítima.

Apesar de ter admitido ter dado dinheiro para Marzy matar Anderson, Simone alegou não saber se a irmã contratou alguém para cometer o crime.

— Dei R$ 5 mil para Marzy, disse que não aguentava mais. Pedi para ela me ajudar. Disse que estava passando por maus momentos. Não havia um plano. Só estava desesperada. Todos os dias, ele subia no meu quarto de manhã e à noite. Mas eu nem acreditava que ela (Marzy) teria coragem de fazer isso de fato. Entreguei a ela o dinheiro e depois não soube de mais nada.