Republicano McCarthy perde primeira votação para presidente da Câmara dos EUA; esperada nova rodada

Republicano McCarthy perde primeira votação para presidente da Câmara dos EUA

Por David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - O deputado norte-americano Kevin McCarthy, do Partido Republicano, perdeu a primeira votação para presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos nesta terça-feira, já que pelo conservadores linha-dura de seu próprio partido votaram contra ele, deixando a maioria recém-conquistada pelo partido nas eleições parlamentares em um caos.

Em um início embaraçoso para o que poderia ser um confronto brutal entre os linha-dura e a maioria dos republicanos da Câmara, McCarthy ficou aquém do total de 218 votos necessários para suceder a democrata Nancy Pelosi como presidente da Casa. Foi a primeira vez em um século que a Câmara não conseguiu eleger um presidente na primeira votação.

O líder democrata da Câmara, Hakeem Jeffries, ultrapassou McCarthy na votação por 212 a 203 votos, já que 19 republicanos optaram por um candidato diferente. O rival republicano conservador de McCarthy, o deputado Andy Biggs, obteve 10 votos. Para ser eleito, um candidato tem que ter a maioria absoluta entre os deputados da Câmara e não a maioria relativa.

Os republicanos obtiveram uma estreita maioria de 222 a 212 nas eleições de meio de mandato de novembro, o que significa que McCarthy --ou qualquer candidato a presidente da Câmara-- precisará unificar uma bancada em conflito para vencer a disputa.

Os oponentes linha-dura de McCarthy estão preocupados com o fato de ele estar menos envolvido nas guerras culturais e nas rivalidades partidárias que dominaram a Câmara, ainda mais desde os anos do republicano Donald Trump na Casa Branca.

Antes da votação, McCarthy tentou persuadir os que resistiam ao seu nome em uma reunião a portas fechadas do partido, prometendo permanecer na corrida até obter os votos necessários, mas muitos participantes saíram do encontro sem parecer intimidados.

Uma eleição prolongada para presidente pode minar as esperanças dos republicanos na Câmara de avançar rapidamente nas prioridades legislativas que envolvem a economia, a independência energética dos EUA e a segurança nas fronteiras.

Alguns republicanos optaram por votar em figuras do partido que não estavam na cédula, incluindo o líder conservador Jim Jordan.

Um impasse deixaria a Câmara em grande parte paralisada e poderia forçar os deputados a considerarem outro candidato. O novo líder da Maioria, Steve Scalise, e Jordan são vistos como possibilidades.

Foi um começo desconcertante para a nova maioria de McCarthy e destaca os desafios que os republicanos podem enfrentar nos próximos dois anos, rumo às eleições presidenciais de 2024. Sua pequena maioria dá maior influência a um pequeno grupo linha-dura, que quer se concentrar em derrotar os democratas e promover investigações.

Não estava claro se McCarthy, que tem o apoio de uma ampla maioria de sua bancada, teria o apoio suficiente para superar a oposição linha-dura e ganhar a presidência da Câmara.

A votação de terça-feira marcou a primeira vez em 100 anos que um candidato não conseguiu a presidência da Câmara na primeira votação. O número recorde de rodadas de votação para eleger um presidente da Câmara é de 133 em um período de dois meses na década de 1850.

(Reportagem de David Morgan, reportagem adicional de Richard Cowan, Gram Slattery e Moira Warburton)