Republicanos mudam projeto de saúde dos EUA e aumentam benefícios para os mais velhos

WASHINGTON (Reuters) - Deputados republicanos dos Estados Unidos estão trabalhando em mudanças na reforma dos serviços de saúde para dar mais créditos fiscais para idosos e acrescentar uma exigência de trabalho para o programa Medicaid para os pobres, disse o presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Paul Ryan, neste domingo.  

Ryan disse que líderes republicanos ainda planejam levar o projeto de lei de saúde para votação na Casa na quinta-feira. Falando ao programa de televisão "Fox News Sunday", ele acrescentou que os líderes estão trabalhando para solucionar preocupações que foram levantadas por republicanos menos influentes sobre a legislação.

"Nós achamos que devemos oferecer ainda mais assistência do que o projeto faz atualmente (para pessoas de baixa renda entre 50 e 64 anos)", disse Ryan sobre os créditos fiscais para planos de saúde que são propostos no projeto.

Ryan também disse que os republicanos estão trabalhando em mudanças que permitiriam que o governo federal conceda garantias aos Estados para o Medicaid.

Republicanos permanecem profundamente divididos sobre a reforma do setor de saúde dos EUA, primeira importante iniciativa legislativa do presidente Donald Trump e visa cumprir sua promessa de campanha de revogar e substituir o Obamacare, programa de saúde de seu antecessor, o democrata Barack Obama.

Trump tem persuadido os parlamentares a votarem a favor do projeto. Ele obteve o apoio de uma dúzia de conservadores na sexta-feira após uma reunião no Salão Oval, na qual o presidente apoiou a exigência de trabalho e a concessão de subsídios para o Medicaid.