Juiz da Suprema Corte nega pedido para suspender apuração na Pensilvânia

·1 minuto de leitura
Partidário do presidente Donald Trump é entrevistado por emissora no Centro de Convenções da Pensilvânia, em 6 de novembro de 2020
Partidário do presidente Donald Trump é entrevistado por emissora no Centro de Convenções da Pensilvânia, em 6 de novembro de 2020

Um juiz da Suprema Corte de Justiça americana negou nesta sexta-feira um pedido dos republicanos da Pensilvânia para interromper a apuração dos votos recebidos após o dia das eleições, remetendo a impugnação ao plenário do tribunal, para que se pronuncie neste sábado.

O juiz Samuel Alito ordenou à Pensilvânia, no entanto, que separe os votos que chegaram depois do dia 3, confirmando uma decisão anterior tomada por autoridades eleitorais daquele estado.

O democrata Joe Biden assumiu a liderança na Pensilvânia, estado que seria decisivo para vencer a eleição.

Os republicanos questionam há meses a decisão da Pensilvânia de aceitar cédulas com carimbo do dia 3 de novembro que cheguem até três dias depois da data da eleição. A suprema corte estadual julgou que a decisão é legal, mas os republicanos recorreram na esfera federal. 

pmh/dw/dg&gm/bn/ic/lb