Republicanos que apoiaram impeachment de Trump querem que democratas não contestem eleição no Iowa

David Morgan
·1 minuto de leitura
Vista geral do Capitólio dos EUA

Por David Morgan

WASHINGTON (Reuters) - Republicanos dos Estados Unidos que votaram a favor do impeachment do ex-presidente Donald Trump na Câmara dos Deputados estão alertando democratas a não estabelecerem um "precedente perigoso" contestando os resultados certificados de uma eleição disputada da Câmara no Iowa.

A deputada republicana Mariannette Miller-Meeks derrotou a democrata Rita Hart no segundo distrito congressual do Iowa por somente seis de quase 400 mil votos depositados. Autoridades eleitorais do Estado certificaram os resultados e Miller-Meeks tomou posse em janeiro.

Mas Hart pediu que a Câmara de maioria democrata interviesse, alegando que 22 votos foram excluídos indevidamente. O Comitê Administrativo da Câmara, onde os democratas superam os republicanos pela margem de seis para três, iniciou uma investigação.

Nove dos 10 republicanos que votaram pelo impeachment de Trump em reação à acusação de que ele incitou uma insurreição traçaram um paralelo entre a eleição de Iowa e os resultados certificados da eleição presidencial que Trump contestou nas semanas que culminaram no ataque mortal ao Capitólio no dia 6 de janeiro.

"Esta ação não somente estabelece um precedente perigoso para eleições futuras, ela reforça a crença falsa de muitos em nosso país de que nosso sistema eleitoral é manipulado e de que certos políticos podem mudar resultados de acordo com seus caprichos", escreveram os republicanos em uma carta à presidente da Câmara, Nancy Pelosi, datada de 19 de março.

O gabinete de Pelosi encaminhou os pedidos de comentário ao Comitê Administrativo da Câmara.