Republicanos do Senado dos EUA apresentam pacote de ajuda de US$ 1 trilhão

Líder do Senado, Mitch McConnell, em 14 de janeiro de 2020

O chefe da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, apresentou nesta quinta-feira um pacote de estímulo à economia de cerca de 1 trilhão de dólares, que tenta paliar o impacto da pandemia do coronavírus nos Estados Unidos.

"Este texto compreende medidas ambiciosas sobre quatro prioridades extremamente urgentes", disse no Congresso McConnell, que enumerou essas urgências: "ajuda financeira direta para os americanos"; "apoio rápido às pequenas empresas e seus funcionários"; "medidas importantes para estabilizar nossa economia e proteger o emprego"; "apoio para o valente pessoal médico e para os pacientes que combatem o coronavírus na linha de frente".

O pacote agora deve ser negociado com os democratas do Senado, antes de definir a data da votação. O texto iria então para a Câmara dos Deputados, onde os democratas são maioria, para finalmente ser promulgado pelo presidente Donald Trump.

McConnell disse que espera trabalhar ao lado dos democratas e da Casa Branca "para realizar esse importante trabalho".

As negociações com os democratas começarão nesta sexta-feira, mas podem levar tempo. Mesmo entre os senadores republicanos, vozes influentes já expressaram sua recusa de assistência financeira direta aos cidadãos. Os democratas, por sua vez, também não estavam muito entusiasmados na quinta-feira à tarde.

Chuck Schumer, líder da minoria democrata, pediu para falar após a intervenção de McConnell para criticar que eles não puderam ver o texto antes de sua apresentação. "Praticamente não houve nenhuma contribuição dos democratas, mas vamos lê-la esta tarde", disse.

"Temos de colocar os trabalhadores em primeiro lugar", insistiu Schumer. "Não queremos que os dólares (injetados na economia) acabem nos bolsos dos proprietários e acionistas", acrescentou.