'Resolução é ilegal e ordens ilegais não se cumprem', diz Zambelli após sacar arma na véspera da eleição

A deputada federal reeleita Carla Zambelli (PL-SP), apoiadora do presidente Jair Bolsonaro (PL), afirmou ter desobedecido deliberadamente a determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre o porte de armas durante as eleições. A parlamentar justificou que "ordens ilegais não se cumprem". Zambelli foi filmada neste sábado sacando uma arma e apontando para um homem no bairro nobre dos Jardins, em São Paulo. Em vídeo publicado em uma rede social, ela diz ter sido hostilizada por "militantes de Lula". As circunstâncias do conflito não são claras.

Zambelli foi questionada por jornalistas sobre a proibição de portar arma de fogo antes das eleições. Ela respondeu que não respeita decisão do ministro Alexandre de Moraes, presidente do TSE.

— A resolução é ilegal e ordens ilegais não se cumprem — disse em entrevista a jornalistas depois do ocorrido.

O TSE proibiu, em setembro, o transporte de armas por colecionadores, atiradores e caçadores no dia das eleições, e também nas 24 horas anteriores e nas 24 seguintes ao dia da votação. Conforme a decisão, o "descumprimento da referida proibição acarretará a prisão em flagrante por porte ilegal de arma sem prejuízo do crime eleitoral correspondente".