Respostas de Brasil e México à varíola dos macacos preocupam especialistas

Ativistas protestam por uma resposta mais firma das autoridades à varíola dos macacos na Cidade do México

Por Brendan O'Boyle

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - As lesões de Francisco começaram depois de voltar para casa na Cidade do México vindo da Califórnia no final de junho: primeiro, duas manchas nas nádegas. Então, uma semana depois, lesões por todo o corpo, a boca tão cheia de feridas que mal conseguia falar ou beber água.

"A dor era indescritível, catastrófica", disse Francisco, de 44 anos, que pediu à Reuters que ocultasse seu nome verdadeiro.

Francisco foi uma das pelo menos 59 infecções por varíola dos macacos confirmadas no México desde maio, o que os especialistas acreditam subestimar o número verdadeiro.

Na América Latina, o México está atrás do Brasil e do Peru em casos confirmados da doença viral, que se espalhou principalmente entre homens gays e bissexuais como Francisco.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a varíola dos macacos uma emergência de saúde global em 23 de julho, provocando maior atenção das autoridades regionais. No entanto, alguns médicos e ativistas nos dois maiores países da América Latina disseram à Reuters que a resposta tem sido muito morna.

"Não estamos vendo as medidas necessárias sendo tomadas, nem a importância necessária dada à varíola dos macacos", disse o Dr. Sergio Montalvo, especialista em saúde sexual na Cidade do México.

Médicos como Montalvo temem que as autoridades não tenham aprendido lições com a pandemia de Covid-19, que sobrecarregou os sistemas de saúde e deixou os governos sem dinheiro.

A história é semelhante no Brasil, onde mais de 970 infecções representam mais de dois terços do total da região, segundo dados da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

O Ministério da Saúde brasileiro anunciou um plano de contingência em 28 de julho, mais de um mês após seu primeiro caso e um dia antes de relatar a primeira morte por varíola dos macacos fora da África no atual surto.

"Já estávamos recebendo notícias sobre o surto na Europa e nos Estados Unidos, mas o governo não fez nada", disse Vinicius Borges, especialista em doenças infecciosas em São Paulo. Segundo ele, a dor das lesões da varíola dos macacos teve "efeitos graves" em seus pacientes.

Os ministérios da Saúde de Brasil e México não responderam a vários pedidos de entrevista.

Após a declaração da OMS, o Ministério da Saúde do México lançou um site sobre varíola dos macacos e seu segundo comunicado com informações sobre o vírus --o primeiro desde que o país confirmou um caso em maio.

"Nestes dois meses, já poderíamos ter feito um progresso significativo", disse Ricardo Baruch, pesquisador de saúde LGBT que ajudou a organizar um protesto na Cidade do México na semana passada para pedir maiores esforços para direcionar a prevenção a homens que fazem sexo com homens.

Um estudo no New England Journal of Medicine mostrou que 98% das infecções no surto em andamento fora da África estão entre homens gays e bissexuais.

As autoridades de saúde mexicanas têm evitado enfatizar os riscos para esse grupo.

"Eles não querem criar estigma, mas se não falarem sobre isso, as políticas não serão focadas em nós", disse Baruch.

A microbiologista Natalia Pasternak também expressou preocupação com as mensagens do Brasil.

“Não há um esforço do governo federal para conscientizar a população sobre como você pode pegar a varíola dos macacos, como transmite de pessoa para pessoa, como você reconhece as lesões na pele e como ela pode ser transmitida de perto ou no contato sexual", afirmou Pasternak.

Em 25 de julho, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse que o governo fez o dever de casa para se preparar, apontando para quatro laboratórios fazendo testes.

Mas "levará algum tempo para construir capacidade de teste no Brasil", disse Pasternak, membro do conselho consultivo para varíola dos macacos no Estado de São Paulo. "Nós realmente não vemos a intenção do Ministério da Saúde de fazer esse planejamento."

(Reportagem adicional de Carolina Pulice)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos