Restaurantes em SP poderão ficar abertos até as 22h, diz Doria

Luiz Anversa
·2 minuto de leitura
Sao Paulo State Governor Joao Doria speaks during a press conference in Sao Paulo, Brazil, on July 21, 2020, where he presented the COVID-19 vaccine being produced by the Chinese company Sinovac Biotech at the Hospital das Clinicas (HC) in Sao Paulo State, as it undergoes a trial stage amid the novel coronavirus pandemic. - The vaccine trial will be carried out in Brazil in partnership with the Brazilian Research Institute Butanta. (Photo by Nelson ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
(Foto: Getty Images)

Em coletiva realizada nesta quarta no Palácio dos Bandeirantes, o governador João Doria anunciou que restaurantes, bares e padarias poderão ficar abertos até as 22h. Mas isso será possível apenas em estabelecimentos que estejam em regiões na fase amarela do Plano São Paulo há pelo menos duas semanas.

Os bares e restaurantes deverão ter 40% da ocupação e as pessoas não poderão ficar em pé. De acordo com Doria, os restaurantes poderão funcionar somente por seis horas diárias e com todos os clientes sentados. Anteriormente o governo estadual havia liberado o funcionamento desses estabelecimentos, também por seis horas por dia, mas somente até as 17h.

Leia também

“O Centro de contigenciamento do covid não detectou aumento no número de casos mesmo com a abertura de bares e restaurantes. Por isso demos esse passo adiante”, falou Doria.

João Gabardo, da equipe técnica do Plano São Paulo, lembrou que mesmo com a reabertura de restaurantes e bares, o chamado grupo de risco (as pessoas com mais de 60 anos e aquelas com comorbidades) deve continuar tomando certos cuidados e, se possível, evitar saídas desnecessárias.

Testes

Jean Gorinchteyn, secretário estadual de Saúde, elogiou o volume de testes realizados em São Paulo desde maio. “Dois milhões já foram feitos. Isso é 25% de total realizado no Brasil", falou. Gorinchteyn também lembrou que, no momento, há uma queda de 60% na ocupação dos leitos no estado, o que mostra que a pandemia dá sinais de que está perdendo força em São Paulo.

O governador Doria anunciou que mais cinco centros de pesquisa da Coronavac estarão disponíveis nos próximos dias exclusivamente para profissionais de saúde voluntários. Outros dez centros estão andamento. Ao todo, 12 locais como esses estão selecionados para realizar a última fase de testes da vacina, fruto da parceria do Instituto Butantan com a empresa chinesa Sinovac Biotech.

Perguntado sobre a duração da pandemia, o secretário falou que a ideia de tentar vacinar o maior número de pessoas também vai ajudar na chamada “imunidade de rebanho” - conceito criado por imunologistas para calcular quantas pessoas numa população precisam estar imunes a um agente infeccioso para que ele não atinja indivíduos vulneráveis. A ideia é simples: quanto mais pessoas vacinadas, menos pessoas doentes, menos vírus circulando. O número geralmente adotado é de 70%, mas Gorinchteyn falou que em São Paulo existe a chance dessa porcentagem cair para 40%.

De acordo com dados da Secretaria de Saúde do Estado, São Paulo tem 585.265 casos confirmados de Covid-19, um incremento de 9.676 novas infecções nas últimas 24 horas, com 24.109 mortes, um aumento de 407 óbitos.