Restrições da Covid-19 na China atingem produção de iPhones e fecham Disney de Xangai

Local de teste de Covid em Pequim

Por Martin Quin Pollard e Bernard Orr

PEQUIM (Reuters) - As restrições à Covid-19 na China forçaram o fechamento do resort da Disney em Xangai nesta segunda-feira, enquanto a produção de iPhones da Apple em uma grande fábrica terceirizada pode cair 30% no próximo mês devido às medidas restritivas contra o coronavírus, disse uma fonte à Reuters.

Em Zhengzhou, uma fábrica da Foxconn, que fabrica iPhones e emprega cerca de 200 mil pessoas, foi abalada pelo descontentamento com as medidas rigorosas para conter a propagação da Covid-19, com vários funcionários fugindo da instalação, levando cidades próximas a elaborar planos para isolar trabalhadores imigrantes que retornam para suas cidades de origem.

"Havia tantas pessoas na estrada, como se estivéssemos fugindo de uma fome", disse um funcionário da Foxconn de 30 anos de sobrenome Yuan, que disse que escalou cercas para deixar a fábrica e retornar à sua cidade natal, no centro da China, Hebi.

Uma pessoa com conhecimento direto do assunto disse que a produção do iPhone na fábrica pode cair até 30% em novembro, e que a Foxconn, com sede em Taiwan, formalmente Hon Hai Precision Industry Co Ltd. , está trabalhando para aumentar a produção em uma fábrica em Shenzhen para compensar.

A Foxconn disse no domingo que está controlando a situação na fábrica de Zhengzhou e coordenará a produção reserva com outras fábricas para reduzir qualquer impacto potencial.

Em Xangai, o Disney Resort da cidade suspendeu abruptamente as operações nesta segunda-feira para cumprir as medidas de prevenção à Covid-19, com todos os visitantes no momento do anúncio obrigados a permanecer até apresentarem um teste negativo.

Vídeos que circulam no Weibo, semelhante ao Twitter, que não puderam ser verificados de forma independente, mostraram pessoas correndo para os portões do parque, que já estavam trancados. Vídeos de pessoas fugindo de shoppings e prédios de escritórios por medo de ficarem trancados se tornaram comuns nas redes sociais chinesas este ano.

O aumento do número de casos em toda a China levou a um aperto nas restrições e lockdowns locais, inclusive em partes de cidades como a metrópole de Guangzhou, no sul, à medida que o custo econômico da política de Covid-zero aumenta.

Dados divulgados nesta segunda-feira mostraram que a atividade fabril chinesa caiu inesperadamente em outubro, prejudicada pela desaceleração da demanda global e restrições domésticas rígidas da Covid-19, que afetaram a produção, viagens e transporte na segunda maior economia do mundo.

(Reportagem adicional de Brenda Goh, Yimou Lee, Ryan Woo e redações de Pequim e Xangai)