Restrições por covid-19 aumentam para milhões de britânicos

·2 minuto de leitura
Ponto para realização de testes de detecção do coronavírus instalado em Cattle Market, em Kingston, em 20 de outubro de 2020, ao sul de Londres
Ponto para realização de testes de detecção do coronavírus instalado em Cattle Market, em Kingston, em 20 de outubro de 2020, ao sul de Londres

Milhões de britânicos se veem, a partir desta sexta-feira (23), sob mais restrições adotadas contra a pandemia em suas regiões e, em Gales, entra-se em um confinamento geral, na tentativa de controlar a segunda onda de coronavírus no território.

País mais castigado da Europa com mais de 44.000 mortos confirmados por covid-19, o  Reino Unido adotou um confinamento em bloco em março e foi aliviando as restrições, progressivamente, a partir de junho.

"Não me restam tantos anos de vida e não vou passá-los trancada em casa quando o governo mal está fazendo isso", afirmou uma inglesa de 83 anos à BBC e o vídeo viralizou nas redes sociais.

Desde o desconfinamento em junho, cada uma das quatro nações que compõem o território adota suas próprias medidas em nível local.

Assim, a partir das 18h (14h no horário de Brasília), Gales será a primeira região do país a reconfinar toda sua população: seus mais de três milhões de habitantes terão de "ficar em casa" até 9 de novembro.

Todos os estabelecimentos comerciais não essenciais vão fechar as portas, enquanto alunos de Ensino Fundamental e alguns do Médio poderão voltar às aulas depois das férias, no início de novembro.

Na Inglaterra, o governo de Boris Johnson tenta evitar um novo confinamento geral, mas mais da metade de seus 56 milhões de habitantes vive sob os níveis "alto", ou "muito alto", de restrições locais.

No noroeste, Manchester entrou no nível máximo nesta sexta pela manhã, após vários dias de embates entre o Executivo do primeiro-ministro Boris Johnson e as autoridades locais, que exigiam uma maior compensação financeira para os negócios obrigados a fechar, como bares e "pubs" que não servem comida.

Além disso, seus 2,8 milhões de habitantes não podem se reunir em casa com familiares e amigos que não vivam sob o mesmo teto, como já acontece com dez milhões de londrinos, entre outros.

Um pouco mais ao leste, a região de South Yorkshire terá esse mesmo destino a partir desta sexta à noite, elevando para 7,3 milhões o número de ingleses submetidos ao nível máximo de restrições atualmente em vigor.

Na Escócia, a primeira-ministra Nicola Sturgeon anunciou um novo sistema de alerta em cinco níveis: o 0 diz que as pessoas poderão se reunir sem restrições; o 4 envolverá o confinamento. 

Na quinta-feira, um das autoridades locais de saúde advertiu que os escoceses devem se preparar para um "Natal digital". Ao ser questionado pela emissora BBC, Jason Leitch considerou que é "muito cedo para dizer" quantos lares poderão se reunir para as festas, mas que, de forma alguma, será um "Natal normal".

Na semana passada, a Irlanda do Norte fechou "pubs" e restaurantes por um mês e estendeu as férias escolares. 

bur-acc/mar/tt/aa