Resultado das eleições municipais aponta para candidato "midiático" em 2022

Ana Paula Ramos
·3 minuto de leitura
The President of the Republic, Jair Bolsonaro (PSL), participates on July 3, 2019 in Sao Paulo, Brazil, of the solemnity of passage of the Southeastern Military Command, from General Luiz Eduardo Ramos Baptista Pereira to General Marcos Antonio Amaro dos Santos. The governor of the State of São Paulo, João Doria (PSDB) also attended the event. In the photo, President Jair Bolsonaro and João Doria. (Photo: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Sipa USA)(Sipa via AP Images)
Cientista analisa o que se pode visualizar para 2022 a partir do resultado das eleições municipais deste ano (Photo: Aloisio Mauricio/Fotoarena/Sipa USA)(Sipa via AP Images)

O resultado das eleições municipais deste ano no Brasil mostra um fortalecimento de partidos tradicionais do chamado Centrão. Deysi Cioccari, cientista política e pós-doutora em Comunicação, afirma que a pandemia causada pelo coronavírus foi um dos motivos para o sucesso de políticos já conhecidos.

“Com a redução do tempo de propaganda eleitoral, com a pandemia e sem o boca a boca na campanha, os políticos que sairiam favorecidos seriam inevitavelmente do Centrão, ou seja, políticos mais conhecidos, antigos na política brasileira, com dinheiro e com histórico tanto familiar quanto político”.

Leia também

Entre as legendas que tiveram maior crescimento nas eleições municipais deste ano, estão DEM, PP e PSD. MDB continua liderando no número de prefeitos e de vereadores, mas encolheu na comparação com 2016.

Enquanto o DEM teve um crescimento de mais de 70% no número de prefeituras conquistadas, o PP apresentou um aumento de 35,8% e o PSD registrou um número de prefeitos eleitos 18,7% maior neste ano. Os índices ainda podem aumentar, já que os três partidos disputam segundo turno em algumas cidades.

O fim das coligações na eleição proporcional - para as Câmaras municipais, no caso - também justifica o fortalecimento do Centrão.

“Os partidos mais fortes ficaram mais fortes. Partidos com mais dinheiro e mais poder se tornaram mais poderosos. E os líderes que têm legado. Ninguém presta atenção no nosso histórico político, mas esse tipo de decisão fortaleceu os mais fortes”, analisa Deysi Cioccari, que é professora da Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo.

No número de vereadores eleitos, o PP passou a ocupar a segunda colocação entre os partidos com mais vereadores, com 6,3 mil eleitos. A legenda registrou aumento de 34% no comparativo com 2016, quando estava na terceira posição.

Já o PSD agora ficou em terceiro lugar, com 5,6 mil vereadores e um crescimento de 22% em relação ao último pleito municipal. Em 2016, o partido ocupava a quarta colocação no número de vereadores.

Apesar de estar na quinta posição, o DEM teve um aumento de quase 50% no número de vereadores eleitos neste ano.

BOLSONARO

A avaliação de Deysi Cioccari é de que o desempenho de aliados e apadrinhados do presidente Jair Bolsonaro nas eleições municipais não pode ser considerado como reflexo da popularidade dele nas urnas.

“Os estudos da ciência política mostram que a transferência de votos em eleição municipal é muito mais forte de governador para prefeito do que de presidente. São eleições muito diferentes. A pauta municipal é completamente outra”, declara.

Na opinião dela, a eleição municipal deste ano indica que, no pleito presidencial de 2022, teremos um “animal político midiático” como vencedor e cita como exemplo a disputa pela Prefeitura de São Paulo pelos candidatos Bruno Covas (PSDB), atual prefeito, e Guilherme Boulos (PSOL).

“A minha aposta é de que quem for mais midiático leva. As propostas são pertinentes, mas hoje votamos em personagens, e as eleições de São Paulo demonstram isso. De um lado, o legado político, votar no que já conhecemos, e do outro quem soube trabalhar a imagem com o devido respeito e espaço proporcionados pela esquerda”.

No entanto, a cientista política avalia que o resultado das eleições já pode ter uma influência no governo do presidente Bolsonaro, que se aliou aos partidos do Centrão.

“Bolsonaro deve rifar caro o seu governo com esse fortalecimento do Centrão”, aponta.