Retórica nuclear russa reacende temores alemães da Guerra Fria

Centro de documentação da Guerra Fria em um antigo abrigo de defesa civil em Colônia

Por Tom Sims

COLÔNIA, Alemanha (Reuters) - Nas profundezas de um abrigo nuclear desativado construído em uma estação de metrô de Colônia no auge da Guerra Fria, o guia turístico Robert Schwienbacher diz que está recebendo uma série de perguntas de alemães pedindo espaço disponível em caso de emergência.

As preocupações dos alemães que se dissiparam com a queda do Muro de Berlim agora estão voltando depois de décadas de paz. É uma lembrança marcante para um país que se encontrava no centro geográfico e político da Guerra Fria.

Nos últimos meses, o presidente Vladimir Putin intensificou sua "operação militar especial" na Ucrânia, convocando reservistas e ameaçando usar armas nucleares para defender o território russo, enquanto o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, falou em "Armageddon".

"Ninguém deve usar armas nucleares", alertou o chanceler alemão, Olaf Scholz, no início deste mês.

Dias depois, uma pesquisa da seguradora R+V mostrou que 42% dos alemães agora temem uma guerra com participação alemã, contra 16% no ano passado, o maior salto desde a Guerra do Kosovo em 1999.

Com a fronteira ucraniana a menos de nove horas de carro de Berlim, a guerra parece desconfortavelmente próxima para muitos, embora não haja ameaça iminente em solo doméstico.

O conflito entre Rússia e Ucrânia, no entanto, levou a uma reflexão em um país que foi a principal beneficiária do degelo entre o Oriente e o Ocidente após a queda do comunismo há mais de 30 anos.

Schwienbacher disse que os pedidos de espaço no bunker, seja por e-mail ou verbalmente, só começaram desde a guerra e estão dando a ele um motivo para refletir. "Sou humano e também me preocupo que possa piorar", declarou Schwienbacher.

A antiga Alemanha Ocidental construiu 2 mil "espaços de proteção" públicos semelhantes a abrigos a partir de meados da década de 60. Em 2007, o governo da Alemanha unificada decidiu liquidá-los.

Mas o conflito na Ucrânia levou o país a manter os 599 restantes e sua Agência Federal de Imóveis está em processo de pesquisa para possíveis atualizações.

A ansiedade na maior economia da Europa é intensificada pela inflação de dois dígitos e pelas preocupações com a escassez de energia após anos de forte dependência da Rússia para combustíveis fósseis.

No dia 8 de dezembro, às 11h, todas as sirenes da Alemanha soarão em um teste, em um segundo "dia de alerta", e mensagens de texto também serão enviadas para todos os telefones celulares.

(Reportagem de Tom Sims)