Reunião ministerial após assassinato de funcionária policial perto de Paris

Ornella LAMBERTI, Tiphaine LE LIBOUX
·3 minuto de leitura
Des membres de la police judiciaire arrivent au commissariat de Rambouillet où une fonctionnaire de police a été tuée, le 23 avril 2021

O ataque fatal na sexta-feira (24) contra uma agente administrativa na delegacia de Rambouillet, perto de Paris, trouxe a ameaça terrorista de volta à agenda política na França, com a visita do presidente Emmanuel Macron à família da vítima e uma reunião ministerial de crise.

A tragédia, que acontece após três ataques de extremistas islâmicos em poucas semanas no outono (boreal), mais uma vez mobiliza o governo.

Macron visitou neste sábado a família de Stéphanie M., de 49 anos, a funcionária - desarmada - morta esfaqueada na entrada da delegacia de Rambouillet por Jamel Gorchene, um tunisiano de 36 anos, que foi abatido por um policial.

O presidente foi à padaria do marido da vítima para dar seu apoio a uma família "muito abalada e muito digna", anunciou a Presidência da República.

Stéphanie M. era mãe de duas filhas de 13 e 18 anos.

"Não vamos desistir da luta contra o terrorismo islâmico", tuitou Emmanuel Macron na sexta-feira.

Paralelamente, uma reunião esta tarde reuniu os serviços e ministros interessados (Interior, Justiça, Exércitos) em torno do primeiro-ministro Jean Castex, que encurtou sua visita ao sudoeste da França.

No âmbito da investigação, as audiências de três pessoas, colocadas sob custódia policial na sexta à noite, continuavam neste sábado.

Trata-se do pai do assassino e duas pessoas que o abrigaram - uma recentemente nos subúrbios ao sul de Paris e a outra quando ele chegou à França em 2009, segundo uma fonte a par do assunto.

De acordo com outra fonte próxima à investigação, as duas pessoas interrogadas com o pai formam um casal que teria residido o agressor "pelo menos administrativamente" nos subúrbios de Paris. Suas casas foram revistadas na sexta-feira.

O telefone de Jamel Gorchene continha "nasheeds", canções religiosas muçulmanas, frequentemente usadas para propaganda jihadista, disse a fonte.

Tendo chegado à França em situação irregular, este entregador possuía um visto de residência válido por um ano desde dezembro, de acordo com a Promotoria de combate ao terrorismo.

Ele teria realizado um "reconhecimento", antes de atacar a vítima, segundo o promotor antiterrorista Jean-François Ricard.

Testemunhas também relataram que ele gritou "Allah Akbar", de acordo com uma fonte próxima à investigação.

Os investigadores trabalham para esclarecer o percurso de Jamel Gorchene, se pessoas o ajudaram ou encorajaram em seu projeto, bem como quaisquer contatos feitos online com membros da esfera jihadista.

Jamel Gorchene é natural de Msaken, uma cidade da costa leste da Tunísia, onde sua família ainda mora em uma casa modesta. Ele teria pelo menos uma irmã e dois irmãos, incluindo um gêmeo.

Ele teria retornado recentemente de uma visita à Tunísia. Uma prima, Sameh, garantiu à AFP que ele era acompanhado por um psiquiatra na França porque sofria de depressão.

Os próximos dias serão de homenagem a Stéphanie M., agente administrativa da delegacia por 28 anos, segundo uma fonte policial.

Uma homenagem será prestada na segunda-feira às 17h30 em frente à prefeitura.

Uma cerimônia "sóbria", um "momento de contemplação" para "mostrar nosso apoio a sua família, seus colegas e à polícia", disse a prefeita Véronique Matillon à AFP.

bur-kl-alh/lb/me/es/gf/mr