Reverendo chora durante depoimento à CPI: "Peço desculpa ao Brasil"

·2 minuto de leitura
Reverend Amilton Gomes de Paula looks on during a meeting of the Parliamentary Inquiry Committee (CPI) to investigate government actions and management during the coronavirus disease (COVID-19) pandemic, at the Federal Senate in Brasilia, Brazil August 3, 2021. Picture taken through plexiglass. REUTERS/Adriano Machado
Reverendo Amilton Gomes de Pauta depõe à CPI da Covid nesta terça-feira (03) (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
  • Reverendo Amilton Gomes de Paula chorou durante depoimento à CPI da Covid

  • Após ser questionado pelo senador Marcos Rogério, ele pediu desculpas ao Brasil, aos deputados e aos senadores

  • Segundo o reverendo, ele queria ajudar o país a conseguir vacinas. Ele estaria envolvido no caso Davati

Durante o depoimento à CPI da Covid no Senado, o reverendo Amilton Gomes de Paula chorou e pediu desculpas ao Brasil. Ele lamentou a situação após questionamentos feitos pelo senador governista Marcos Rogério (DEM-RR). 

"Vossa senhoria conhece a verdade. Conhece a verdade dos fatos e conhece a verdadeira verdade. Então, eu gostaria de lhe dar a oportunidade de fazer uma fala nesse sentido e dizer a esta CPI e ao Brasil: se arrepende? foi vítima? Partícipe? Qual o seu real papel em tudo isso?", perguntou o senador.

Leia também

Ao começar a responder, o reverendo chorou e lembrou que a família toda é evangélica. "O maior erro que eu fiz foi abrir a porta da minha casa aqui de Brasília, no momento em que eu estava enfrentando a perda de um ente querido da minha família. E eu queria vacina para o Brasil", disse o depoente. 

"Eu tenho culpa, sim. Hoje de madrugada, antes de vir para cá, eu dobrei os meus joelhos e orei. Eu peço desculpa ao Brasil. O que eu cometi não agradou, primeiramente, os olhos de Deus", declarou. Ele ainda pediu desculpas aos senadores e deputados. "Jamais fraudei ou tirei algo de alguém, estou aqui para contribuir com o Brasil sempre." 

O reverendo Amilton Gomes de Paula estaria envolvido com o caso Davati. Ele teria intermediado o contato entre a empresa norte-americana, que ofereceu 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca, e o Ministério da Saúde. 

Ao longo do depoimento, Amilton Gomes de Paula deu declarações controversas e voltou atrás em mais de uma ocasião. Ele alegou não ter contato próximo com ninguém do Ministério da Saúde. Ainda assim, ele confirmou que foi recebido pelo alto escalão da pasta para tratar do assunto após enviar um email.

A negociação não chegou a ser concretizada. A AstraZeneca informou ao governo brasileiro que não negocia por meio de atravessadores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos