Revlon pode ir à falência, e ações despencam 52%

As ações da Revlon, império dos comésticos controlado pelo bilionário Ronald Perelman, caíram 52,76% após o canal de notícias Reorg informar que a empresa está se preparando para declarar falência.

Varejista: Justiça de São Paulo decreta falência da Ricardo Eletro. E empresa recorre

Troca-troca: Inflação nas alturas leva consumidor à 'infidelidade' nas marcas, e atacarejo ganha espaço

Daslu: do luxo à falência pode virar grife de imóveis de alto padrão

A empresa poderia fazer a declaração já na próxima semana, disse Reorg, citando fontes ligadas às negociações. As ações da empresa, que chegaram a atingir seu menor nível, deixaram de ser negociadas diversas vezes nesta sexta-feira por causa da volatilidade.

Um representante da Revlon não comentou imediatamente.

Eletrobras: Veja como será o rateio entre quem reservou ação da empresa com dinheiro do FGTS

A Revlon, com sede em Nova York, tem lutado para permanecer relevante e conter a queda nas vendas em meio à concorrência da Estee Lauder e de uma série de empresas menores que usam as mídias sociais para atrair clientes. Esses problemas foram amplificados depois que as paralisações por causa do Covid-19 fizeram com que a demanda por maquiagem caísse.

A marca, controlada pela Perelman's MacAndrews & Forbes, evitou por pouco vários calotes ao reduzir acordos de dívida com os credores. A Revlon tem mais de 15 marcas, incluindo Elizabeth Arden e Elizabeth Taylor, que são comercializadas em quase 150 países.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos