Ricardo Galvão, ex-diretor do Inpe demitido por Bolsonaro, é o novo presidente da CNPq

O cientista Ricardo Galvão será anunciado oficialmente nesta terça-feira (17) como o novo presidente do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O anuncio será feito pela ministra da Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, em uma cerimônia em Brasília (DF). O pesquisador é ex-diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), cargo que ocupou de 2016 a 2019, quando foi exonerado por Bolsonaro (PL) após desavenças.

Sem formatura e sem dinheiro: Aluna de Medicina da USP se desculpa por perda de R$ 1 milhão da formatura: 'Escrevo para dizer que não temos mais dinheiro'

Entenda: Combate ao desmatamento, déficit de servidores e prescrição de multas: entenda os principais desafios do novo presidente do Ibama

Na época, o ex-presidente da república acusava o Inpe de mentir sobre dados que indicavam crescimento no desmatamento da Amazônia. Depois de quatro anos afastado de cargo no governo federal, Galvão volta comandando a CNPq, que é a principal agência de estímulo à pesquisa científica e de formação de pesquisadores nas mais diversas áreas do conhecimento, com cerca de 80 mil bolsistas em universidades e institutos do País e no exterior. O cientista irá comandar uma das agências de fomento à pesquisa, área que cuida do financiamento de bolsas para pesquisadores de graduação e pós-graduação, que estão sem reajuste desde 2013.

Ricardo Galvão é professor titular do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP). Em 2019, Galvão foi designado pela revista Nature em primeiro lugar de uma lista das dez pessoas mais importantes para a ciência. Em 2021, recebeu o Prêmio da Liberdade e Responsabilidade Científica da Associação Americana para o Avanço da Ciência.