Rio é o destino mais buscado do país, e reservas em hotéis já estão em 72%

Turistas nacionais e internacionais já deram a largada para o maior réveillon dos últimos anos no Rio, que deve superar, inclusive, a última festa pré-pandemia, na virada para 2020. A cidade é o destino mais disputado do Brasil para a data, seguida de Recife, aponta a empresa Decolar. E a taxa de ocupação dos hotéis da Zona Sul e da Barra já atinge 72% — no início de novembro de 2019, o índice não chegava a 60%, de acordo com o Sindicato dos Meios de Hospedagem do Município (Hotéis Rio). Alguns estabelecimentos da orla, como o Fasano, em Ipanema, sequer têm mais quartos disponíveis.

— O turismo entrou na pauta de promoção e divulgação, e isso está gerando resultados. Para o réveillon, vamos bater os 100% — explica Alfredo Lopes, presidente do Hotéis Rio. — O que a gente vê agora é as pessoas se programando mais para o réveillon: como muito gente não viajou no último, ficando em casa, agora todos querem sair.

Levantamento da Decolar com base na procura por passagens aéreas mostra que, para a festa no Rio, lideram as buscas turistas de São Paulo, Brasília, Goiânia e Cuiabá. No caso dos estrangeiros, Lisboa, Buenos Aires, Bordeaux e Paris são as cidades que devem embarcar mais gente. Na última semana, a empresa verificou aumento de 21% na busca por voos para o Rio em relação às mesmas datas de 2021.

A rede Windsor, com 15 unidades na cidade, espera lotar, inclusive, seus dois hotéis do Centro, como aconteceu no Rock in Rio. Nos hotéis da orla de Copacabana e Barra, as reservas já beiram os 80%.

— Em 2019 não estávamos com essa ocupação toda em novembro. Tem hotel que vai esgotar esse mês, e nossa expectativa é de chegar a 100% em todos eles, mesmo nos do Centro, que têm diárias mais em conta — prevê Bianca Rodrigues, gerente comercial da rede, antes de observar que estrangeiros têm buscado reservas mais longas, enquanto turistas brasileiros devem vir mais para aproveitar o fim de semana — 31 de dezembro cairá no sábado.

De olho nesses hóspedes, a rede deixou de vender apenas pacotes com mínimo de noites e hoje oferece também tarifa sem café da manhã.

— O brasileiro está competindo no Rio com o gringo. Os americanos voltaram, assim como os europeus e os turistas da América do Sul, em especial da Argentina — afirma Michael Nagy, diretor do Fairmont.

A prefeitura ainda vai bater o martelo sobre a programação em Copacabana e o esquema especial de trânsito. A tendência é repetir as restrições aos carros no bairro, permitindo acesso a pé ou por transporte público. No último réveillon, sem shows e só com fogos, não foram feitos bloqueios e faltou transporte. O MetrôRio já confirmou que haverá venda antecipada de bilhetes para o dia 31.

— Podemos bater recordes de público em Copacabana, com 2,5 milhões a três milhões de pessoas — diz o secretário municipal de Turismo, Antônio Mariano.

Cariocas já presenciam o vaivém de gente de fora, provocado por três grandes eventos na cidade. Um deles é o Congresso Mundial de Cardiologia, no Riocentro. Secretário estadual de Turismo, Sávio Neves diz que outro termômetro do setor é o movimento recorde nas vans e no trenzinho até o Cristo:

— São cerca de seis mil passageiros a mais em novembro na comparação com o mesmo mês na pré-pandemia. É uma demanda 20% maior.

No réveillon do Rio, além de assistir à queima de fogos da areia de Copacabana, há opções de festas para todos os gostos, com a da Marina da Glória, que terá Anitta, e a tradicional celebração no Morro da Urca, ambas com ingressos à venda. Há ainda turistas atrás de sossego em família na Barra, onde hotéis farão queima de fogos. O Grand Hyatt contabiliza 50% a mais de vendas em relação a 2019.

— O Rio de Janeiro é o local do Brasil hoje onde as pessoas querem estar — comenta Alexandra Bueno, gerente-geral do hotel.

Carioca, mas vivendo em São Paulo há mais de 20 anos, a executiva comercial Gina Montiel passará a entrada de ano no Rio com a família, incluindo o filho, a nora e dois netos que moram em Barcelona. Serão ao menos dez pessoas no Grand Hyatt, diz ela:

— Meu último réveillon no Rio foi em 2020, mas ficamos na nossa festa privativa. Houve fogos, mas nada parecido com este ano. Estamos esperando a festa com muito entusiasmo, acreditando que será ainda melhor do que antes. Será uma virada com alegria potencializada e no Rio.