Rio antecipa dose de reforço para idosos que tomaram a segunda dose na capital até o fim de fevereiro

·2 minuto de leitura

RIO — A prefeitura do Rio anunciou a antecipação da dose de reforço da vacina contra a Covid-19 para todos os idosos que receberam a segunda dose na cidade até o dia 28 de fevereiro. Este grupo já pode procurar os postos de saúde para receber a terceira injeção contra o coronavírus.

Como a vacinação geral contra a Covid-19 no município só começou no início de fevereiro, grande parte dos idosos no grupo que teve a terceira dose antecipada são de profissionais da saúde. Dos 12,5 mil idosos de 60 anos ou mais que completaram o primeiro ciclo de imunização na cidade, 7,5 mil são da área da saúde.

O calendário geral da dose de reforço seguirá em vigor. Nesta quarta-feira podem receber a terceira dose quem tem 87 anos ou mais, ou pacientes com alto grau de imunossupressão a partir de 40 anos. Até sábado, com escalonamento de uma idade por dia, devem receber a dose de reforço os idosos até 84 anos.

A Prefeitura do Rio estuda ampliar a antecipação da segunda dose da vacina da Pfizer contra a Covid-19 para um público ainda maior, abrangendo novos grupos etários. Para isso, no entanto, a Secretaria municipal de Saúde (SMS) depende de novas entregas do imunizante por parte do Ministério da Saúde. Atualmente, a medida vale para pessoas de 50 anos ou mais.

Segundo o titular da pasta, Daniel Soranz, ainda não há previsão de que a mudança aconteça para outras idades. Isso não se deve, porém, a nenhuma decisão técnica da secretaria, mas à escassez de vacina, disse o secretário. A garantia de mais doses permitiria que novas faixas etárias fossem incorporadas ao novo calendário de vacinação com a Pfizer, como pessoas de 40 anos ou mais ou 45 anos ou mais.

A prefeitura do Rio anunciou na segunda-feira que vai reduzir de 12 semanas para 21 dias o intervalo de aplicação da vacina Pfizer para maiores de 50 anos a partir desta terça-feira. Segundo o município, 23 mil pessoas nesta faixa etária só receberam a primeira dose do imunizante.

O intervalo de 21 dias é o menor previsto na bula da Pfizer. Uma pesquisa da Universidade de Oxford realizada com 503 profissionais de saúde mostrou, no entanto, que o intervalo ideal entre as duas doses da vacina contra a Covid-19 da Pfizer é de oito semanas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos