Rio distribui nova leva de cerca de 222 mil vacinas CoronaVac, do Instituto Butantan, entre os 92 municípios

Arthur Leal
·2 minuto de leitura

RIO — O governo do Rio já começou a distribuição das doses de CoronaVac produzidas pelo Instituto Butantan, em São Paulo, e repassadas nesta terça-feira à noite ao estado através do Ministério da Saúde. Até o momento, nesta quinta-feira, capital, Niterói, São Gonçalo e Maricá já retiraram seus imunizantes, que devem permitir a continuidade do cronograma de vacinação. Ao todo, são 444 mil doses recebidas pelo estado, que repassa metade — cerca de 222 mil — aos 92 municípios. A outra metade, fica na reserva das segundas doses, que vão sendo retiradas conforme a demanda.

Só a cidade do Rio recebe 96.660 doses, ou 96,6 mil frascos da CoronaVac nesta oitava leva. São Gonçalo recebe 12.880 doses, ou 1.288 frascos da vacina. Niterói recebe 8.910 doses, ou 891 frascos. Maricá, por sua vez, poderá contar com mais 1.940 doses, ou 194 frascos. Na Baixada, municípios também receberão reforço: Duque de Caxias recebe 8.950 doses; Nova Iguaçu, 8.030 doses; Belford Roxo, 4.970; São João de Meriti, 5.770 doses.

Além do Butantan, também esta semana, a Fiocruz começou a entregar ao Ministério da Saúde, nesta quarta-feira, a primeira leva das vacinas Oxford-AstraZeneca produzidas pela instituição, que serão distribuídas pelo Brasil. Nesta quarta, foram entregues 500 mil doses e, até sexta-feira, devem ser entregues outras 580 mil — num total de 1 milhão e 80 mil doses. Parte desta leva, que aguarda autorização do MS para o repasse, será, é claro, destinada do Rio de Janeiro, num processo que dura cerca de dois dias.

Cronograma volta a andar no Rio

A partir da chegada das novas doses, a prefeitura do Rio já anunciou, no fim da noite desta terça-feira, que daria continuidade ao cronograma de vacinação. Nesta quarta, a imunização ainda foi para idosos com 76 anos. No entanto, a partir desta quinta-feira, o calendário avança. Quinta, a vacinação será feita para mulheres com 75 anos. Na sexta, para homens com 75 anos. No sábado, acontece a repescagem, para idosos, homens ou mulheres, com 75 anos ou mais. O ritmo é mais lento do que o que vinha sendo praticado. Segundo o prefeito, Eduardo Paes, a medida foi tomada para evitar que todos procurem as unidades de saúde no mesmo dia. No início da semana, Paes chegou a pedir ao Ministério da Saúde que acelerasse a distribuição das doses entregues pelo governo de São Paulo, e para que não as deixassem "estocadas". A prefeitura ainda não divulgou o calendário de vacinação da próxima semana.