Rio fecha comércio, restaurantes e escolas para reduzir Covid

Rodrigo Viga Gaier
·2 minuto de leitura
Mulher posa para foto em praia do Rio de Janeiro, apesar de fechamento para conter Covid

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Rio de Janeiro e a cidade vizinha de Niterói anunciaram nesta segunda-feira medidas mais rígidas de restrição que preveem o fechamento do comércio, estabelecimentos de ensino e serviços não essenciais, além de toque de recolher de 23h às 5h, para conter a disparada recente da Covid-19.

Com as novas medidas, que entram em vigor na sexta-feira e terão duração de 10 dias, bares e restaurantes não poderão fazer atendimento presencial. Continuarão funcionando normalmente estabelecimentos como mercados, padarias, farmácias, bancos, serviços de saúde, veterinárias e lojas de material de construção.

"Ninguém aqui é alarmista ou deixa de se preocupar com economia e emprego, mas tomamos essa decisão por necessidade e ouvimos muito a ciência. São medias duras, mas duras para preservar vidas", disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes, que reclamou da falta de coordenação do governo de Estado.

Os jogos de futebol nas duas cidades ficam proibidos durante a vigência do decreto, mas as praias serão parcialmente abertas para atividades esportivas individuais, depois de ficarem totalmente fechadas no fim de semana na capital fluminense.

No caso das praias, o Rio seguiu os passos de Niterói e decidiu permitir atividades individuais na areia e no mar, mas o banho de sol e a permanência na areia seguirão proibidos.

A prefeitura do Rio já havia anunciado na semana passada um toque de recolher de 23h às 5h, que agora foi renovado, para evitar aglomerações, no momento em que o sistema de saúde da cidade se aproxima da capacidade máxima de atendimento ante uma disparada recentes de casos.

Separadamente, o governo do Estado do Rio de Janeiro deve enviar uma mensagem à Assembleia Legislativa e publicar um decreto que antecipa feriados e pontos facultativos para agrupá-los em um período de 10 dias.

A proposta estadual, no entanto, não prevê o fechamento de estabelecimentos não essenciais, ao contrário do decidido pelas prefeituras da capital fluminense e de Niterói.

O prefeito Paes e o governador Cláudio Castro têm divergências sobre a intensidade das medidas. O governador chegou a dizer que as regras do Estado poderiam se sobrepor às da cidade, que são mais rigorosas.

O decreto do Estado prevê, por exemplo, que os bares e restaurantes fiquem abertos até as 23h. Castro chegou a cogitar até ir à Justiça para garantir a prevalência do decreto estadual, mas Paes disse duvidar.

"As medias estão dentro da lei e tenho certeza que não vai haver contestação judicial, e na cidade do Rio vão valer as regras da cidade do Rio e ditadas pela prefeitura", disse o prefeito.

Em todo o Estado do Rio, são mais de 35 mil mortos e mais de 621 mil infectados na pandemia.