Rio de Janeiro confirma morte de homem de 33 anos por monkeypox, segundo óbito no Brasil

Tubos de teste de varíola dos macacos

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um homem de 33 anos com comorbidades que estava internado em um hospital de Campos dos Goytacazes se tornou a primeira vítima fatal da monkeypox no Estado do Rio de Janeiro, informou nesta segunda-feira a Secretaria Estadual de Saúde, confirmando o segundo óbito no país pela doença.

“Ele apresentava baixa imunidade e comorbidades, que agravaram o quadro da monkeypox. O paciente apresentou complicações e precisou ser transferido para leito de UTI no dia 19. O óbito aconteceu na manhã desta segunda-feira“, disse a secretaria em nota.

A Secretaria de Saúde da cidade de Campos está monitorando as pessoas que tiveram contato com o paciente e, até agora, nenhuma delas apresentou sinais ou sintomas de infecção pelo vírus, de acordo com a pasta estadual.

O Brasil registrou em 29 de julho sua primeira morte por monkeypox, também conhecida como varíola dos macacos, de um paciente que estava internado em um hospital de Minas Gerais, também com comorbidades.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a enfermidade uma emergência de saúde global, seu nível mais alto de alerta. A doença, que se espalha através do contato próximo com um indivíduo infectado e com as feridas cheias de pus comuns à doença, raramente é letal.

No Brasil, foram registrados até o momento 2.131 casos confirmados da doença, sendo 1.578 deles apenas em São Paulo.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)