Rio de Janeiro recebe cerca de seis mil jovens para os Jogos Escolares Brasileiros

O Rio de Janeiro recebe até o próximo dia 14 os Jogos Escolares Brasileiros (JEBs). A competição que acontece pelo segundo ano na cidade é um intercâmbio entre estudantes-atletas com idade entre 12 e 14 anos de todo o país. O torneio começou nesta quarta-feira. Com recorde de inscrições, cerca de 6 mil adolescentes vão competir em três locais na cidade: Parque Olímpico da Barra da Tijuca, Universidade das Forças Aéreas (Unifa) e Arena da Juventude, em Deodoro.

O ex-atleta olímpico brasileiro Robson Caetano, especializado em corridas de curta distância e atual superintendente da Secretaria de Estado de Esporte e Lazer, lembra que participou dos JEBs em 1981:

— A minha trajetória nos Jogos Escolares é muito curiosa porque iniciei meus treinos em 1978, no Botafogo, e, ao receber o estímulo "você é olímpico", comecei a perseguir isso. Na escola, fui me destacando e, após vencer o salto em distância e ficar em segundo lugar nos 100 metros rasos em uma competição aqui no Rio de Janeiro, me convocaram para os JEBs em Brasília. Essa passagem pelos jogos foi muito importante, porque fez com que me vissem e respeitassem como atleta.

Caetano lembra que terminou a competição com ouro no salto em distância e prata nos 100 metros e 200 metros rasos. São as mesmas modalidades em que a estudante Grazielly Jorgea dos Santos, de 14, vai competir.

De forma improvável, o talento de Grazielly para prática de esportes foi descoberto enquanto brincava de correr na Quinta da Boa Vista, na Zona Norte do Rio. Com sua aptidão, foi indicada e passou em um teste do Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (Cefan), da Marinha do Brasil, onde treina até hoje. Pelo segundo ano consecutivo nos JEBs, a jovem espera um novo resultado e é uma das integrantes do TIME RJ, que vai representar o Rio de Janeiro.

— Em 2021, fiquei em oitavo lugar nos JEBs e, ao longo da minha trajetória, já ganhei umas nove medalhas, mas nenhuma tão importante como dos Jogos Escolares. Dessa vez, tenho o sonho de ganhar medalha de ouro. Meu coração está acelerado e penso muito na competição — completa Grazielly, aluna do Ciep Brigadeiro Teixeira, localizado em Nova Iguaçu.

Para o torneio, a Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) vai custear a hospedagem de todos os participantes. O investimento é de mais de R$ 12,7 milhões, totalizando 63 mil diárias. A realização do evento é da Confederação Brasileira de Desporto Escolar (CBDE), em parceria com o Governo Federal.

— O nosso estado tem muitas vocações e uma delas, sem dúvidas, é o esporte. Os JEBs vão possibilitar que a população fluminense e as delegações vivenciem um clima olímpico, tão importante para fomentar o esporte e para movimentar o turismo e a economia. Estamos de braços abertos para receber esses jovens cheios de sonhos e muita vontade de fazer a diferença — destaca o governador Cláudio Castro.

Sobre a competição

No total, serão 17 modalidades a serem disputadas: badminton, ginásticas artística e rítmica, xadrez, tênis de mesa, vôlei, basquete, futsal, handebol, judô, taekwondo, karatê, wrestling, vôlei de praia, atletismo, ciclismo e natação. A novidade para essa edição é a inserção de modalidades demonstrativas como o surfe, skate e o break dance.

O Time RJ conta com quase 300 pessoas entre atletas e chefes de delegação. São quase 100 escolas participantes entre particulares e estaduais de todo o estado. Os atletas classificados na competição poderão ter direito ao benefício do Programa Bolsa Atleta estadual em 2023, além de poderem participar dos Jogos Escolares Sulamericanos/2022.