Rio de Janeiro restringe acesso a bairros e proíbe apostas em loterias

DIEGO GARCIA

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) restringiu o acesso às regiões centrais de alguns bairros do Rio de Janeiro e proibiu apostas em casas lotéricas pelo período de uma semana, em tentativa de conter o avanço do novo coronavírus na capital.

Em coletiva de imprensa nesta segunda-feira (11), Crivella apontou que as restrições serão nos bairros de Santa Cruz, Madureira, Jacarepaguá, Freguesia, Tijuca, Grajaú, Pavuna e Cascadura. O prefeito classificou as medidas adotadas no Rio até o momento como um "semilockdown".

"Verificamos na curva que tivemos um aumento de casos neste início de maio, por isso as medidas foram tomadas", apontou Crivella. "Todo nosso esforço é para tomar medidas equilibradas, para preservar vidas e atividades essenciais do comércio", continuou.

Para restringir o acesso a esses bairros, limitando a circulação aos moradores, Crivella pede a ajuda da Polícia Militar. "Dependemos muito da PM, pois nossa guarda é desarmada e tem dificuldades para atuar em todas essas áreas, em uma situação como a que estamos vivendo", explicou o prefeito.

Outra medida adotada a partir desta terça-feira (12) será a proibição de apostas nas casas lotéricas da cidade. "Pedimos a contribuição de que nesta semana não tenha jogo todo dia, então sem apostas nas loterias. Funcionam dando benefícios e recebendo contas, mas sem apostas presenciais", apontou Crivella.

Também ficou proibida a abertura dos bares, lanchonetes e restaurantes, que estavam liberados para serviços "take away". Agora, eles estão proibidos de funcionar com as portas abertas, para evitar aglomeração, mas ainda podem fazer delivery ou "drive thru".

Até este domingo (10), a cidade do Rio de Janeiro tinha 10.520 casos de Covid-10, com 1.126 óbitos e 7.317 recuperados.