Rio tem cinco regiões com risco 'muito alto' para Covid-19; leitos de UTI podem se esgotar em seis dias

Felipe Grinberg
·2 minuto de leitura

RIO — O estado do Rio tem cinco das nove regiões de saúde classificadas como "alto risco" para a disseminação da Covid-19. Segundo a análise dos técnicos da secretaria estadual de Saúde, o tempo para o esgotamento dos leitos de UTI da região Metropolitana 1 — formada pela capital e Baixada Fluminense — é de cinco dias. Essa foi a região com a maior pontuação de risco entre as áreas do estado. Em todo o Rio a previsão dos técnicos é que os leitos de terapia intensiva podem se esgotar em seis dias.

"Esta 24ª avaliação apresenta a pior situação de risco analisada até o momento", afirma a nota técnica.

Também estão classificadas com risco "muito alto" as regiões Norte, Médio Paraíba, Centro Sul e Baixada Litorânea. Na avaliação divulgada no último dia 24 de março, as regiões do Médio Paraíba e Norte estavam com a classificação de risco "alto".

"Todas as 9 regiões do estado apresentam taxa de ocupação de leitos de UTI acima de 80%, apontando para uma situação crítica no atendimento aos casos graves. Em relação à taxa de ocupação de Enfermaria, todas as regiões também apresentam esgotamento de leitos com taxas acima de 70%, inclusive com leitos improvisados, como na região Centro Sul", diz trecho da nota técnica.

Recorde de atendimentos foi no fim do mês

Ao analisar a procura de pacientes nas UPAs da rede estadual do Rio, os técnicos apontaram que o dia 29 de março foi o com maior atendimentos de Sindrome Gripal nas emergências, com 986 casos. Na segunda quinzena do mês foram em média 795 atendimentos, um aumento de 48% em relação aos 15 dias anteriores.

Com o aumento na procura por atendimento na rede pública, também houve um crescimento nos pedidos de internação no Rio.

"As solicitações por leitos apresentam maior variabilidade diária, mas que reflete uma tendência de aumento desde o início de março, em que o último dia registrado (31/03/2021) apresentou um aumento de 224%, comparado com o dia 01/03/2021. A partir do dia 15 de março, observamos uma maior velocidade no aumento do número de pessoas na fila de espera, que no último dia de avaliação apresentou um aumento de 609% de pessoas em fila de espera." dizem os técnicos.