Rio tem este ano menor número de homicídios desde 1991, mas índice sobe em outubro

Entre janeiro e outubro de 2022, a chamada letalidade violenta (agregado que engloba roubos seguidos de morte, homicídios dolosos, mortes por intervenções de agentes do estado e lesões corporais seguidas de morte) registrou queda de 9% e o homicídio doloso, quando há a intenção de matar, de 8%. Segundo o Instituto de Segurança Pública (ISP), que divulgou os dados de outubro nesta quinta-feira, foram os menores valores para o acumulado do ano, nos dois indicadores, desde 1991. No entanto, o mês de outubro teve aumento dos casos de homicídio.

Geosmina: Cedae promete verão sem a vilã da estação

Quem é o filho de Sérgio Cabral, alvo da operação da PF contra máfia dos cigarros

Em outubro deste ano, foram registradas 287 vítimas de homicídio no Estado do Rio, um aumento de 5,9% em relação ao mesmo mês de 2021. O latrocínio, roubo com resultado morte, também registrou queda, com 39 vítimas a menos no período. Segundo o ISP, 390 fuzis foram apreendidos por agentes de segurança do estado em 2022, aproximadamente um por dia.

Violência: Acusado de matar namorada grávida em praia de Niterói é condenado por feminicídio

De acordo com o governador do Rio, Cláudio Castro, a apreensão dessas armas de fogo é a prioridade dos agentes de segurança.

— Esses fuzis tiram a vida dos moradores inocentes e dos nossos policiais, que trabalham dia e noite para proteger a população. É nesse terreno que nossos policiais civis e militares atuam — destacou.

Violência: PM é morto, e caminhoneiro é baleado ao entrarem por engano em duas comunidades do Rio

Os chamados crimes contra o patrimônio, categoria que engloba roubos de carga, roubos de rua e de veículos, também apresentou queda no acumulado de janeiro a outubro. Para a diretora-presidente do Instituto de Segurança Pública, Marcela Ortiz, os dados divulgados trazem maior eficácia no combate ao crime.

— A divulgação frequente desses dados é essencial para a gestão da segurança pública. Com essas informações, as polícias Civil e Militar conseguem alocar seus recursos de maneira mais eficaz para combater o crime no estado — explicou.