Rio tem o maior número de estupros desde 2014: até setembro, foram 4.074 casos

Ana Luísa Pontes*
1 / 4

INFOCHPDPICT000085462557

Carolina (nome fictício) foi abordada por um homem na Pedra do Sal e estuprada em seguida

Carolina (nome fictício) estava na Pedra do Sal com os amigos, na segunda-feira retrasada, quando sua vida foi abalada. A jovem de 22 anos conta que começou a passar mal após tomar uma bebida e que um estranho a abordou oferecendo ajuda. Poucas horas depois, ela foi estuprada.

Infelizmente, Carolina entrou para a estatística que continua crescendo no estado do Rio. Enquanto a maioria dos índices de criminalidade diminuiu em comparação a 2018, os casos de estupro seguiram na contramão. Apenas este ano, entre os meses de janeiro e setembro, foram registrados 4.074 casos, maior número desde 2014, segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP). Além disso, 57,9% das vítimas dessa violência sexual são mulheres.

Segundo Débora Rodrigues, delegada titular da Delegacia de Atendimento à Mulher do município de São Gonçalo, o número de casos não necessariamente aumentou, mas sim o número de denúncias. Por vergonha, medo ou receio de serem desacreditadas, muitas vítimas não procuram as autoridades para fazer o devido registro de ocorrência, causando uma enorme subnotificação do crime.

— A cada 10 registros que faço na delegacia, oito são violência sexual reincidente. Além disso, crime de estupro agora é de ação penal pública incondicionada, ou seja, qualquer um pode denunciar — destaca a delegada.

Dados ainda mais preocupantes mostram que a maior parte das vítimas tem entre 0 e 12 anos, representando 1.311 dos casos em 2019. O interior do estado leva a triste primeira colocação de estupros por região, com 1.393 casos. A capital vem logo em seguida, com 1.271 registros de ocorrência.

Ao contrário do que o senso comum indica, o horário da manhã foi o turno com mais casos de estupro entre janeiro e setembro deste ano, com 951 crimes cometidos, uma diferença de 187 entre o segundo turno com maior número de crimes — a madrugada.

 

‘Somos colocadas em dúvida’

E foi durante a madrugada que Carolina, personagem do início da nossa reportagem virou vítima de estupro. Ainda abalada, a jovem conta que foi ao Centro do Rio para comemorar uma entrevista de emprego. Após se perder dos amigos, começou a sentir-se mal e foi abordada por um homem:

— Foi aí que apareceu um cara que eu nem conhecia.

Após uma “conversa” de cerca de uma hora, o homem decidiu levá-la dali num táxi.

— Eu repetia meu endereço na esperança de ele pedir um Uber ou algo assim. Mas ele me colocou num táxi e me levou para a casa dele. Naquele momento, comecei a entender o que iria acontecer comigo.

A estudante e faxineira conta que o estuprador deitou ao seu lado na cama, apagou as luzes e começou a tocar seu corpo, tirando sua roupa.

— Eu tentei impedir, mas eu estava na casa dele, fraca, sozinha... Fiquei com medo de reagir. Eu estava vomitando ainda, e ele fez isso mesmo assim. Ninguém que estava comigo na Pedra do Sal me mandou mensagem ou procurou saber onde eu estava — lamenta.

Carolina não se sente segura para denunciar seu abusador, pois teme que ele possa se vingar, pois ficou com os documentos dela e sade onde é sua casa:

— A gente sempre é colocada em dúvida. A própria assistente social do SUS falou para, da próxima vez, eu não beber. Então se as mulheres deixarem de beber isso vai parar de acontecer? Só me resta seguir em frente.

*Estagiária sob supervisão de Giampaolo Morgado Braga